Estudo indica que Aidar acerta ao dizer que Juvenal ‘quebrou’ o São Paulo



Carlos Miguel Aidar criticou a gestão financeira de seu antecessor, Juvenal Juvêncio

O pivô da briga pública entre o presidente Carlos Miguel Aidar e seu antecessor e ex-aliado Juvenal Juvêncio foram as finanças do clube. Aidar disse, em entrevista à Folha de S.Paulo, que encontrou o clube ‘quebrado’ quando assumiu a presidência, em abril de 2014. Juvêncio, do outro lado, se defendeu dizendo que o Tricolor Paulista terminou 2013 com R$ 29 milhões de superávit.

Nenhuma das afirmações é falsa. No entanto, um estudo divulgado pelo Itau BBA sobre a situação econômica e financeira dos clubes brasileiros mostra que o atual mandatário tricolor tem mais razão do que seu antecessor quando o assunto é o caixa do clube.

Primeiro, ao apontar que o resultado financeiro 2013 foi ‘maquiado’ pela venda de jogadores, sobretudo pela negociação de Lucas com o Paris Saint Germain, que somaram R$ 148 milhões aos cofres do São Paulo. O valor é quase seis vezes maior do que a média da venda de jogadores em 2011-2012, de cerca de R$ 27 milhões anuais.

Por isso, os analistas do Itau BBA preferem calcular a evolução das finanças dos clubes sem levar em conta as receitas com a venda de jogadores. E nessa comparação,  o São Paulo da gestão Juvêncio teve, ao contrário do que afirma o cartola, uma receita R$ 30 milhões menor em 2013 do que a observada em 2012.

Além disso, o banco mostra que Juvenal Juvêncio comprometeu receitas futuras de TV a partir de 2012, abocanhando neste ano incríveis R$ 112 milhões de reais da Globo – valor superior ao auferido pela Flamengo neste ano, R$ 105 milhões. Por isso, em 2013 a participação da venda de direitos de TV na receita do São Paulo despencou de 45% do total em 2012 para apenas 25% em 2013.

Dessa forma, o banco aponta que a gestão de Juvêncio aumentou as despesas e custos do São Paulo em um ritmo maior do que o das receitas. Um dado que mostra esse fenômeno é o valor gasto em contratações em 2012 (R$ 67 milhões) e 2013 (R$ 22 milhões), totalizando R$ 89 milhões. Segundo o estudo, o clube assumiu um compromisso salarial para os próximos anos com base em um cenário de aumento contínuo das receitas do futebol brasileiro, cenário este que se deteriorou em 2013 e 2014. Agora, o clube tem dificuldade em diminuir essas despesas fixas.

E a situação em 2014 não é favorável. O departamento financeiro já trabalha com um déficit de R$ 30 milhões em 2014, caso não venda mais nenhum jogador. Além disso, o cenário econômico do futebol em geral não colabora.  A Consultoria Trevisan calculou que as receitas dos 14 maiores clubes devam sofrer uma retração de 7% em relação à 2013, e o mercado de patrocínio esportivo ainda não se recuperou do período de investimento na Copa do Mundo.

O presidente Carlos Miguel Aidar pode estar certo nas críticas a Juvenal Juvêncio, mas tem muito trabalho pela frente para tirar o clube do vermelho.

 

 

 



MaisRecentes

‘Rainbow Six Pro League’, no Rio de Janeiro, neste fim de semana, terá premiação milionária



Continue Lendo

Superintendente garante que não há obstáculos para construir no campo do Everest



Continue Lendo

Detalhe técnico pode impossibilitar obra no campo do clube Everest



Continue Lendo