Conselheiro quer ir à Justiça contra Andrés 



Romeu Tuma Junior, conselheiro do Corinthians, quer ir à Justiça contra crimes fiscais da gestão de Andrés Sanchez

O conselheiro corintiano Romeu Tuma Jr. pretende levar para o MP ou à Justiça o ressarcimento que o Corinthians teria direito pelos prejuízos causados pelo não pagamento de impostos na gestão de Andrés Sanchez. Os juros por conta da dívida fiscal somariam R$ 94,3 mi. A iniciativa de Tuma Jr. ocorre após o Conselho de Orientação (Cori) do clube vetar, na reunião da última segunda (29), uma ação contra Andrés e os ex-diretores Raul Corrêa (Finanças), Roberto de Andrade (Futebol) e André de Oliveira (Adm).

Tiro no pé
Empresário e grupos de investimento dizem que o veto da Fifa à participação de investidores não deve atrapalhar seus negócios. Uma dessas empresas foi além e afirmou que a nova legislação deve ajudar ainda mais quem quer investir em jogadores de futebol. O grupo, que pediu sigilo, diz que deve lançar em um futuro próximo uma nova categoria de participação em direitos econômicos de jogadores de futebol.
Morde…
O presidente do Coritibia, Vilson Ribeiro de Andrade, calcula que os supostos erros de arbitragem na derrota contra o Flamengo, que eliminou o Coxa da Copa do Brasil, custaram R$ 4 milhões aos cofres do clube. Leva-se em conta, segundo o dirigente, a renda dos jogos como mandante e a cota paga pela CBF para os clubes que avançaram às quartas-de-final na competição.
…e assopra
Por isso, o dirigente enviou à CBF um dossiê com 8 erros de arbitragem considerados “graves” por terem mudado o resultado final do jogo. No entanto, Andrade não vê má fé da entidade e diz que os erros foram “democráticos”. O recado para a CBF seria só uma forma de engrossar o coro por melhoras na arbitragem. Andrade estará na conferência de árbitros, jogadores e técnicos, amanhã, no Rio.
BRAÇO DIREITO
Carlos Miguel Aidar, presidente do São Paulo, até recentemente sempre falou diretamente com a imprensa.
A postura faz parte da personalidade forte do dirigente. Porém, algumas declarações polêmicas de Aidar não foram bem-recebidas dentro do clube.
E depois da insistência de pessoas próximas, seu assessor pessoal, Marcos Roberto, assumiu a função de “testa de ferro” do dirigente. Desde então, as polêmicas diminuíram.
A função de Marcos Roberto lembra a de outra figura polêmica da gestão anterior: José Francisco Manssur, assessor direto de Juvenal Juvêncio.
Manssur se envolvia tanto na política do clube que ganhou um apelido, no mínimo, curioso: Posto Ipiranga.
Isto porquê Manssur era o primeiro a ser consultado, independente do assunto.
DE LETRA
“Nossa geração também teve momentos ruins, mas não ficávamos nessa passividade”

Magic Paula, sobre a postura da Seleção Brasileira feminina de basquete, que foi eliminada do Mundial da Turquia, ontem.


MaisRecentes

À espera de decisão da Justiça sobre eleição, oposição se movimenta no Vasco



Continue Lendo

Instituto Guga Kuerten consegue captar doações via ‘Clube do Patrocínio’



Continue Lendo

Grupos respeitam luto por Eurico, mas rearrumação política está em curso



Continue Lendo