Financeiro do Botafogo vê dificuldade em cortar despesas do departamento de futebol



Francisco Fonseca, Vice de Finanças do Botafogo.

Para o vice-presidente de Finanças do Botafogo, Francisco Fonseca, um dos agravantes da crise financeira do clube foi a dificuldade de cortar despesas do departamento de futebol no curto prazo.

O clube aumentou em 71% esses gastos de 2012 para 2013, totalizando R$ 167 milhões, enquanto as receitas do clube cresceram 26%, para R$ 154 milhões.

– No fim de 2012, fizemos uma projeção de gastos considerando anos sucessivos de aumento de receitas, mas esses problemas aconteceram e não há como sair cortando o elenco, fica mais caro do que manter o jogador – explicou o dirigente à De Prima.

Fonseca ressaltou que, segundo a Lei Pelé, se o clube rescindir o contrato do jogador, o atleta tem o direito de receber o valor total do contrato. E como o clube está sem caixa, seria mais sábio do ponto de vista financeiro manter os atletas.

– Se o clube rescinde o contrato sem ter como pagar, isso vai parar no tribunal e o valor pode mais do que dobrar – disse o VP de Finanças.
Em casos especiais, o clube conseguiu economizar gastos com salários sem pagar a rescisão, como na saída de Seedorf e Felipe Gabriel.



MaisRecentes

‘Rainbow Six Pro League’, no Rio de Janeiro, neste fim de semana, terá premiação milionária



Continue Lendo

Superintendente garante que não há obstáculos para construir no campo do Everest



Continue Lendo

Detalhe técnico pode impossibilitar obra no campo do clube Everest



Continue Lendo