Taxa da PM tira receita de paulistas



Os times paulistas têm sofrido um grande impacto em suas receitas com bilheteria por conta das despesas com policiamento nos jogos. No jogo entre Corinthians x Palmeiras, no último domingo (27), o valor foi de R$ 123,3 mil, uma alta de mais de 1000% sobre o confronto entre os dois times no 1º semestre, quando as despesas somaram R$ 9,9 mil. Neste período, a taxa paga a cada policial por jogo saltou de R$ 22 para R$ 180. O 2º Batalhão da PM não retornou a solicitação da coluna sobre os motivos da alta.

Dívida federal
O São Paulo é o único entre os grandes clubes paulista que está em dia com o Banco Central. Por outro lado, o Santos deve R$ 7,1 milhões, seguido do Corinthians, que tem débito de R$ 2,2 milhões. A dívida do Palmeiras é menor entre os 21 clubes que hoje precisam se acertar com o BC: apenas R$ 535 mil. Os valores são referentes à operações cambiais intermediadas pelo BC em transações de atletas no mercado internacional.

Caravana
Flamengo e Vasco pretendem ir a Brasília na próxima semana para acompanhar, além de se mostrarem a favor, a reunião da Câmara dos Deputados que irá debater a Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte, projeto que visa ao refinanciamento da dívida dos clubes. Há a expectativa de aprovação da LRFE após o governo federal pedir urgência na discussão do projeto.

Informante
O ex-goleiro Danrlei, atualmente deputado federal (RS) e ídolo do Grêmio, é um informante do clube para questões relativas ao futebol que acontecem na Câmara, em Brasília. Quando um representante do Grêmio não pode comparecer às reuniões de interesse do clube, Danrlei passa os detalhes para a diretoria do Tricolor, fazendo uma ponte entre o clube e Brasília.

De barriga cheia
O McDonald’s faturou alto com a Copa. A rede de fast-food vendeu 3,3 milhões de unidades dos sanduíches alusivos a sete seleções que disputaram o Mundial. Comercializados a R$ 18, os produtos geraram R$ 59,4 milhões para a empresa nas oito semanas que a promoção foi realizada no Brasil. O campeão de vendas foi o McArgentina, responsável por 23% das vendas.

Autorização
Os torcedores do Botafogo que levarão uma faixa de apoio aos atletas e protestos contra a diretoria não pediu autorização ao Grupamento Especial de Policiamento em Estádios (Gepe) para entrar com ela no Maracanã, neste sábado. O Gepe autoriza faixas mediante aviso prévio e desde que não haja palavras ofensivas.

Sem acesso
Paula Madeira, gerente administrativa do grupo de oposição Terceira Via, disse, em reposta à nota publicada nesta coluna, que durante sua permanência na Secretaria Social do Santos ela não tinha acesso ao banco de dados do programa de sócios nem o poder de aprovar novos associados. O estatuto do clube diz, porém, que as informações cadastrais devem vir da Secretaria Social para posterior aprovação do departamento jurídico.

POSIÇÃO

O Bom Senso publicou ontem um comparativo entre os que seriam as sanções ideais para os clubes e o que está no atual texto da Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte.

O objetivo foi mostrar que a LFRE só exige que os clubes apresentem a Certidão Negativa de Débito uma vez por ano, sob pena de rebaixamento.

A CBF, com os clubes, já sinalizou que estaria disposta a incluir em seu regulamento esta punição técnica. Mas ainda está longe do que o grupo quer.

O movimento prega uma série de controles trimestrais ou semestrais, como limites aos gastos do departamento de futebol, controle do déficit e a padronização dos demonstrativos financeiros.

Porém, na busca por consenso na Câmara, a lei deve seguir inalterada.

DE LETRA

“Já passou da hora de ele se afastar”

Carlos Eduardo Pereira, conselheiro do Botafogo, sobre o atual presidente do clube carioca, Mauricio Assumpção.



  • valmir

    por que o lancenet ignora a pesquisa de torcida do datfolha?

MaisRecentes

‘Agressividade’ de Mattos no mercado rende brincadeiras nos bastidores



Continue Lendo

CBF planeja Seleção de Masters para 2018: projeto social e de imagem



Continue Lendo

CBF ‘absolve’ árbitro que não viu confusão Vizeu x Rhodolfo, mas STJD vai analisar



Continue Lendo