Parreira brecou Kaká na Copa



O coordenador da Seleção, Carlos Alberto Parreira, teve papel-chave na ausência de Kaká na Copa. O nome do meia foi discutido em razão da falta de experiência da equipe brasileira. Parreira tem resistência a Kaká e muitas vezes disse que se desapontou com o rendimento dele na Copa 2006 – apesar de os astros terem sido Ronaldinho Gaúcho, Ronaldo e Adriano. Um dos argumentos para barrar Kaká foi a condição física, mas Orlando e São Paulo atestam que ele está em forma.

Pós-Copa
Numa entrevista ao jornal italiano “La Repubblica“, o ex-jogador Zico, que disputou as Copas de 1978 a 1986, criticou o estilo de jogo da Seleção Brasileira. Disse que os jogadores brasileiros não estavam jogando a Copa com alegria e que havia pressão demais sobre eles. Zico disse que o trabalho da Seleção precisa ser recomeçado do zero. Ele reclamou da participação dos jogadores nos programas de TV.

Bairrismo na TV
Até as quartas de final, os argentinos assistiram mais à Seleção Brasileira do que os brasileiros à Argentina. Enquanto as partidas da canarinho registraram média de audiência de 28 pontos na Argentina, a equipe de Messi teve média de 25 pontos entre os brasileiros. Considerando só a primeira fase, aconteceu o inverso: jogos do Brasil tiveram 26 pontos no país vizinho, contra 25 de jogos dos hermanos na TV brasileira.

Dominação
Ainda havia ontem ingressos disponíveis para a Copa do Mundo, que terminará no domingo. O site da Match, que detém os direitos exclusivos de venda de lugares VIP e de camarotes, anunciava ingressos para a decisão de terceiro lugar, entre Brasil e Holanda, amanhã, em Brasília. Para a final, os ingressos estão esgotados há mais de dois meses.

Momento
O deputado Otávio Leite (PSDB-RJ) aproveitou o momento de caça às bruxas pós-derrota da Seleção para colocar a Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte na pauta dos líderes na Câmara. Se houver consenso, o projeto deve ir ao Plenário na semana que vem. Caso não consiga, pode perder este momento, já que na outra semana a Câmara dos Deputados entrará em recesso e só voltará em agosto.

Time fechado
Carlos Miguel Aidar, presidente do São Paulo, e Ataíde Gil Guerreiro, VP de Futebol, negaram que o clube tenha intenção de vender Alexandre Pato. Segundo Guerreiro, o clube montou o atual elenco “galáctico” para vencer o Brasileiro e a Copa do Brasil, e que não há o menor interesse em negociar os medalhões do clube, mesmo se a oferta agradar ao clube financeiramente.

Apoio de peso?
O Bom Senso FC está mais otimista com mudanças no calendário. Em reuniões realizadas durante a Copa, os líderes do movimento dizem ter sentido que a Globo também se convenceu de que o atual calendário está sendo prejudicial ao seu negócio. A emissora estaria preocupada com a queda de audiência – provocando reclamações de patrocinadores – e temeria o pós-Copa.

FINAL DOS PAPAS

Papa Emérito Bento XVI e Papa Francisco

A final da Copa do Mundo entre Argentina e Alemanha já ganhou um apelido na imprensa internacional: O duelo dos papas.

A razão é que o papa Francisco (Jorge Bergoglio) é argentino, e o antecessor dele, papa Bento XVI (Joseph Ratzinger) é alemão.

As diferenças copeiras entre os dois não se limitam à nacionalidade. Segundo a assessoria do Vaticano, Bento XVI não gosta de futebol e não assistiu à Copa.

Já Francisco é fã confesso do San Lorenzo, e a máscara dele é sucesso entre os argentinos que vieram ao Brasil para ver Messi & Cia.

Uma coisa é certa. Se o resultado da decisão refletir a popularidade dos dois papas, a Argentina dará um banho de futebol nos alemães.

DE LETRA

“Não tenho rancor, ódio. Ele até me ligou no dia seguinte”
Neymar, sobre a entrada dura de Zuniga que o tirou da Copa.



MaisRecentes

Governo admite que errou em MP que retira recursos do esporte



Continue Lendo

Sem resposta de Zé Ricardo, Milton Mendes entra no radar do Botafogo



Continue Lendo

Novo diretor de futebol do Fluminense, Paulo Angioni tem três nomes para lugar de Abel Braga



Continue Lendo