Polícia Civil do RJ caça diretor executivo da Match Services, Ray Whelan



A Justiça do Rio de Janeiro decretou na tarde desta quinta-feira a prisão do executivo, mas quando os policiais do da 18ª DP chegaram ao Copacabana Palace, onde ele estava hospedado, foram informados de que ele já havia deixou o hotel.

Whelan é suspeito de fornecer ingressos para o argelino Mohamadou Fofafa, deitido em prisão preventiva junto com mais 11 pessoas, todas indiciadas sob a acusação de cambismo, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

Se confirmada a informação de que Whelan fez check-out no hotel, isso representa uma quebra da decisão judicial que lhe outorgou o habeas corpus na última terça-feira. Ele não poderia ter mudado de lugar de residência.

Na teoria, Whelan não poderá deixar o país, uma vez que entregou seu passaporte à polícia. Whelan é cunhado dos proprietários da Match, Jaime e Enrique Byrom. A empresa detém o direito exclusivo de venda de ingressos de hospitalidade (camarotes e lugares VIP) nesta Copa do Mundo.



  • Ricardo

    Já fugiu por terra para algum país sul americano e dai…

  • Peroba

    Realmente, o crime de cambismo deveria ser hediondo e ter prisão perpétua. Ainda bem que não acontecem outros tipo de crime no Rio, pois assim a Policia pode dar mais foco e destinar metade de seu contingente para caçar esse criminoso perigosissimo.

MaisRecentes

Botafogo sai da lista de clubes formadores da CBF. Coritiba retorna



Continue Lendo

Entidades buscam nome para preencher vaga no Tribunal Antidopagem



Continue Lendo

Na Seleção, preferência para sorteio da Copa é estrear mais tarde



Continue Lendo