Polícia Civil do RJ caça diretor executivo da Match Services, Ray Whelan



A Justiça do Rio de Janeiro decretou na tarde desta quinta-feira a prisão do executivo, mas quando os policiais do da 18ª DP chegaram ao Copacabana Palace, onde ele estava hospedado, foram informados de que ele já havia deixou o hotel.

Whelan é suspeito de fornecer ingressos para o argelino Mohamadou Fofafa, deitido em prisão preventiva junto com mais 11 pessoas, todas indiciadas sob a acusação de cambismo, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

Se confirmada a informação de que Whelan fez check-out no hotel, isso representa uma quebra da decisão judicial que lhe outorgou o habeas corpus na última terça-feira. Ele não poderia ter mudado de lugar de residência.

Na teoria, Whelan não poderá deixar o país, uma vez que entregou seu passaporte à polícia. Whelan é cunhado dos proprietários da Match, Jaime e Enrique Byrom. A empresa detém o direito exclusivo de venda de ingressos de hospitalidade (camarotes e lugares VIP) nesta Copa do Mundo.



  • Ricardo

    Já fugiu por terra para algum país sul americano e dai…

  • Peroba

    Realmente, o crime de cambismo deveria ser hediondo e ter prisão perpétua. Ainda bem que não acontecem outros tipo de crime no Rio, pois assim a Policia pode dar mais foco e destinar metade de seu contingente para caçar esse criminoso perigosissimo.

MaisRecentes

Ana Paula Oliveira vê árbitro de vídeo como ajuda e confia em bom treinamento



Continue Lendo

Nuzman está inclinado a se explicar na Câmara sobre escândalo



Continue Lendo

CBV visita cidade que pode receber seleções de vôlei nos Jogos de 2020



Continue Lendo