Gramado de Manaus assusta Inglaterra



As imagens recém-publicadas do gramado da Arena Amazônia, mostrando uma superfície com áreas ralas e linhas amarelas cortando o campo, assustaram tanto a delegação inglesa que um dirigente da federação viajou a Manaus para conhecer de perto o problema. Nos últimos meses, os ingleses fizeram críticas ao gramado por excesso de adubação, falta de nutrientes, irrigação deficiente. Nada adiantou. Curiosamente, a região da floresta amazônica é a de maior umidade do país.
Exceção
Na Cidade do Galo, CT do Atlético-MG em Belo Horizonte, concentração da Argentina, os quartos 13 e 17 estão vazios, como se sabe.
A razão é que na Quiniela, a loteria argentina, o 13 é o número do azar, e o 17, da desgraça.
O diretor Carlos Bilardo e o técnico Alejandro Sabella, conhecidos de mais de 20 anos, são muito supersticiosos.
Essa veia esotérica vem do clube onde militaram como jogadores e técnicos. Lá, números, cores, animais, tudo tem um significado sobrenatural.
Disso não se saberia apenas observando o nome desse clube: é  o Estudiantes, de la Plata, na Grande Buenos Aires.
Não por acaso, o maior ídolo da história do clube, Verón, que jogou na virada do anos 70,  tinha como apelido “La Bruja”, que quer dizer a bruxa.
Fifa 100%
O Brasil é mesmo o paraíso dos cartolas do futebol. O 64º Congresso da Fifa, nos últimos dois dias em São Paulo, teve recorde de participantes não só em números absolutos como em proporcionais. Todas as 209 federações se fizeram representar. Um comparecimento de 100% não acontecia há muitas décadas, desde pouco depois da fundação da entidade.
Copa dos copos
A Coca-Cola produziu 3 milhões de copos para vender refrigerantes nos 64 jogos da Copa do Mundo. A expectativa de venda da empresa quase equivale aos 3,1 milhões de lugares disponíveis nos jogos do Mundial. Como cada refrigerante custará R$ 8, o faturamento máximo será de R$ 24 milhões. A receita ficará com a operadora de bebidas licenciada pela Fifa. As bebidas alcoólicas serão das marcas Brahma Zero, Brahma e Budweiser, todas da Ambev.
Mudou o discurso
O governo do estado Rio de Janeiro agora diz que as obras da estação multimodal do Maracanã, que integra trem e metrô, não era promessa para a Copa do Mundo. No dia da abertura do Mundial, as obras ainda não terminaram. Mas há meras duas semanas, o governo dizia que a estação seria entregue para os jogos e o índice de conclusão era de 95% – impossível de completar em 14 dias.
Agenda apertada
Um amigo de Fernando Horta diz que dificilmente o presidente da Unidos da Tijuca será candidato se a eleição para a presidência do Vasco for mantida para o mês de agosto. Horta quer que ela aconteça em novembro, como manda o estatuto – há seis anos, disputas jurídicas empurraram o início do mandato para agosto. Horta alega compromissos profissionais em Portugal no meio do ano.
Travou
A Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte só será votada em julho, após o recesso na Câmara dos Deputados. A polêmica sobre o decreto do governo sobre a participação popular nas decisões bloqueou a pauta do Congresso. Aliados do deputado Otávio Leite, relator do projeto, reclamam da falta de apoio de líderes partidários para colocar o projeto em votação.
São Paulo
O armistício entre oposição e situação do São Paulo sobre a reforma no Morumbi já produz resultados. O vereador Marco Aurélio Cunha, líder da oposição tricolor, pediu audiência com o prefeito Fernando Haddad, para engrossar o lobby feito pelo presidente Carlos Miguel Aidar em favor da obra e de melhorias no entorno do estádio (leia mais na pág. 37).


MaisRecentes

CBV visita cidade que pode receber seleções de vôlei nos Jogos de 2020



Continue Lendo

Botafogo deixa a Libertadores com R$ 13,4 milhões pela participação



Continue Lendo

Empresa explica saída do Brasil do Tour da Taça da Copa do Mundo



Continue Lendo