Jurídico da Portuguesa suspeita da súmula e desmente delegado da partida



JOINVILLE
Súmula entregue em branco, demora na disponibilização dos registros do jogo e, agora, acusação de que a Portuguesa não entregou nenhum documento oficial judicial ao delegado da Arena Joinville antes de abandonar a partida contra o Joinville, na última sexta-feira, válida pela primeira rodada da Série B do Brasileirão. Todo o imbróglio soa “estranho” para José Luiz Ferreira de Almeida, advogado e vice-presidente jurídico da Lusa.

– Lógico que levamos (cópia da liminar). O documento autenticado, aliás, foi mostrado ao vivo pela televisão. Todo mundo viu. Acho que ele (delegado Laudir Zermiani) se confundiu de partida, só pode ser isso – afirmou José Luiz, à De Prima.

Na súmula (abaixo na íntegra), publicada na última terça-feira, o árbitro Marcos André Gomes da Penha relatou apenas que os jogadores da Portuguesa saíram de campo aos 17 minutos do primeiro tempo e que Rogério Lico, filho do presidente Idílio Lico, informou ao delegado e ao quarto árbitro que a equipe não voltaria ao gramado. Gomes da Penha não citou a existência de uma liminar ou um documento da Justiça.

– Está tudo muito estranho. Vi na imprensa que o presidente da Federação Catarinense (Delfim Peixoto) disse que a súmula foi entregue em branco à CBF. Agora, a súmula aparece cheia de garranchos, mal escrita… Não dá para entender. É estranho – complementou.

Com a confirmação do abandono na súmula, a denúncia preparada pela procuradoria-geral do STJD, que vai até pedir a exclusão da Lusa da Série B até sexta-feira, não precisará ser alterada, já que ela desconsidera o W.O. e segue na linha do abandono.

O QUE DIZ A SÚMULA:

Aos 17 minutos do primeiro tempo, no instante que a partida se encontrava com o placar de 0 a 0, após a marcação de um tiro lateral a favor da equipe do Joinville, subitamente, todos os jogadores da equipe Portuguesa de Desportos abandonaram o campo de jogo, estando a partida paralisada, indo diretamente para o seu respectivo vestiário. Diante dos fatos, solicitei ao 4ª árbitro, o sr. Carlos Eduardo Vieira Areas que se dirigisse ao vestiário da Portuguesa, acompanhado do delegado da partida, sr. Laudir, para que solicitassem o regresso da mencionada equipe ao campo de jogo.

No local, foram recebidos pelo sr. Marcos Rogério Lico, que se identificou como representante da equipe e única pessoa autorizada a falar. O referido dirigente informou-lhes que a equipe da Portuguesa de Desportos não regressaria de forma alguma ao campo de jogo.

Decorridos 30 minutos após a interrupção, ocasionada pelos supramencionados, e com a não (…) de nenhum atleta da Portuguesa de Desportos, informei ao sr. Rafael Diego de Souza, atleta número 4 da equipe do Joinville, que sua equipe poderia se retirar do campo, haja vista que não haveria prosseguimento da partida por por ter a equipe da Portuguesa se recusado a continuar jogando-a.



  • carlosband

    É incrível… TODO MUNDO ESTÁ ERRADO, menos a portuguesa, não é Sr Juca Kfouri?

MaisRecentes

Promotor vê cessão de ingressos como incentivadora da violência das torcidas



Continue Lendo

Del Nero estava em reunião quando soube de suspensão. E não pode pisar na CBF



Continue Lendo

Ideia de biometria em setor de organizadas não entra em regulamento da CBF



Continue Lendo