Valor final? Como pagar? Andrés Sanchez apresenta as contas da Arena Corinthians



Arena do Timão

Convocado para a reunião do Conselho Deliberativo do Corinthians na noite da última segunda-feira, o ex-presidente Andrés Sanchez explicou detalhes do planejamento financeiro da Arena Corinthians. O novo estádio, cujo o custo final foi avaliado em R$ 1,150 bilhão (com juros contabilizados), poderá ser pago em até 12 anos apenas com faturamento de bilheteria. A expectativa corintiana é quitar o valor em até sete anos, com a ajuda de outras receitas.

Com o valor total de face dos CIDs (Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento) avaliados em R$ 420 milhões, resta ao Fundo de Investimento do estádio, o qual o clube faz parte ao lado da construtora Odebrecht, arcar com R$ 730 milhões.

Como pagar? De acordo com os números apresentados por Andrés, a dívida poderá ser saldada usando apenas 55% da ocupação do próprio estádio durante os próximos 12 anos. O Corinthians joga, como mandante, em média, 38 a 40 partidas por ano.

As arquibancadas provisórias (20 mil lugares), inicialmente construídas para a Copa do Mundo, serão aproveitadas por mais 18 meses (com o clube pagando o aluguel delas). Sendo assim, a capacidade total do estádio pula de 48 para 68 mil lugares. Com 68 mil lugares à disposição e média de 55% de ocupação por jogo, a renda estimada é de quase R$ 4,5 milhões. Já com 48 mil lugares e também com média de 55% de ocupação, a renda cai para cerca de R$ 4 milhões.

As eventuais receitas com a venda dos naming rights, shows, publicidade estática, aluguel de camarotes e espaços comerciais, entre outros, não foram utilizadas por Andrés Sanchez nos cálculos para o pagamento da Arena Corinthians.

ESTRUTURAS TEMPORÁRIAS PARA A COPA DO MUNDO

A polêmica sobre o pagamento das estruturas provisórias para a Copa do Mundo (setores de imprensa, tecnologia, transmissão, voluntários e segurança), avaliadas em R$ 60 milhões, também foi tema do discurso de Andrés Sanchez. O dirigente voltou a garantir que o valor será pago pelo Fundo de Investimento. Corinthians e Odebrecht já estão atrás de parceiros comerciais.

DESABAFO E POUCAS PERGUNTAS

Ao término da apresentação do planejamento financeiro, Andrés Sanchez desabafou aos mais de 200 conselheiros presentes. O dirigente mostrou tristeza com as recentes críticas que a administração do estádio tem sofrido da imprensa e até mesmo de pessoas do próprio clube (ligadas à oposição e à situação).  Em seguida, ele abriu o espaço para discussão.  Andrés cobrou questionamentos, mas apenas três perguntas foram feitas.



MaisRecentes

Contratação de Felipe Melo pelo Flamengo faz parte de ‘presente de Natal’ pedido por Abel Braga



Continue Lendo

Após confirmação de Valentim em 2019, goleiro Martín Silva deve sair do Vasco



Continue Lendo

Arena da Baixada recebe evento com forças da segurança pública do Paraná



Continue Lendo