Sem piscina e com privilégios ameaçados, conselheiros inflam oposição no Flamengo



A política da diretoria do Flamengo de cortar gastos na área social e valorizar os sócios-torcedores está gerando uma revolta dos associados, especialmente os sócios-proprietários, que sempre agiram e foram tratados como donos do Flamengo.

Sócios com cadeira garantida no Conselho e os únicos que podem virar presidentes, os proprietários estão revoltados com o que consideram uma perda de prestígio no clube. Segundo eles, a diretoria privilegia os sócios-torcedores, que nem associados são. Apesar do nome, são torcedores-consumidores.

Mas, pelas regras do ST, eles têm prioridade na compra de ingresso. Os sócios-proprietários não têm, se não aderirem ao ST.

Por isso, diferentes grupos de sócios-proprietários estão se unindo em torno da defesa de seu status. Até grupos que eram neutros ou discretamente pró-diretoria também estão aderindo ao movimento.

A ala liderada por Leonardo Ribeiro, que durante grande parte do ano passado, votava sozinho em muitas decisões e era criticado até por partidários de Patrícia Amorim, a cuja administração deu sustentação e até recebeu alguns cargos, agora recebe elogios.

A origem da divergência vem do próprio ideário dos atuais dirigentes. Em 2012, a então Chapa Azul, após ser eleita, decidiu fazer uma gestão oposta à de Patrícia Amorim (2009-12). Enquanto essa ficou conhecida como a “presidente do Parquinho”, quando a reforma do parque infantil se transformou no símbolo de uma administração voltada para a reforma da Gávea e o atendimento aos sócios que frequentavam o clube, enquanto deixava o futebol e as finanças em descontrole, a nova diretoria inverteu o foco.

Elegeu as finanças a prioridade número um, apostando que o clube só poderia ter um crescimento sustentável depois de quitar boa parte das dívidas.
Colocou o futebol com segunda prioridade e o clube social, em terceiro. O raciocínio era que, por um lado deveria evitar os vexames em campo que minaram o apoio a Amorim. Por outro, o futebol poderia trazer aumento de receita, ao contrário do clube.

A promessa de uma gestão racional deu à Chapa Azul teve uma vitória esmagadora nas últimas eleições. Mas agora que ela tenta cumprir o programa -os que têm de pagar a conta se rebela,. Com a ajuda dos conselheiros eleitos, é provável que a diretoria, consiga manter a maioria no Conselho. Mas a hegemonia que existia deve desaparecer, ao menos por algum tempo.

 



MaisRecentes

Governo admite que errou em MP que retira recursos do esporte



Continue Lendo

Sem resposta de Zé Ricardo, Milton Mendes entra no radar do Botafogo



Continue Lendo

Novo diretor de futebol do Fluminense, Paulo Angioni tem três nomes para lugar de Abel Braga



Continue Lendo