Sindicato dos Atletas busca negociação contra maratona de jogos



O Sindicato dos Atletas Profissionais de São Paulo e a Federação Nacional de Atletas Profissionais de Futebol (FENAPAF) já entraram em contato com a CBF e com atletas dos clubes envolvidos nas mudanças de calendário promovidas pela entidade, que farão com que pelo menos SantosSão Paulo,  Náutico e Atlético-MG disputem partidas com intervalos inferiores a 66 horas.

A Lei Orgânica da CBF estabelece esse número de horas como intervalo mínimo para a realização de jogos consecutivos. Há exceções, mas uma análise preliminar dos órgãos sindicais indica que elas não se aplicam aos casos analisados:

– O intervalo mínimo é de 66 horas, mas há uma exceção que pode reduzir o prazo para 44 horas, dependendo da distância entre os locais dos jogos. Pelo que avaliamos até agora, entretanto, não parece ser o caso – afirmou Rinaldo Martorelli, presidente das duas entidades.

Martorelli disse que, no primeiro momento, tentará promover um diálogo entre clubes, atletas e CBF, em busca de uma solução que não envolva ação judicial:

– Já entramos em contato com os atletas, até para saber se têm interesse na nossa representação. Também já entramos em contato com a CBF, e devemos ter uma resposta em breve. As vezes, o que parece um bicho de sete cabeças vira uma formiguinha na hora de discutir, e chega-se a uma solução – explicou.

Ainda segundo Martorelli, a não observação das leis vigentes e o número de partidas excessivo contribui para encurtar a carreira dos jogadores:

– Nosso trabalho é preservar os atletas. A carreira do jogador já é curta, se não há cuidado com a saúde, acaba encurtando ainda mais. Os jogadores que fazem o espetáculo – afirmou.

A expectativa é de que uma resposta da CBF venha nos próximos dias.



MaisRecentes

Renovação do atacante Talles Magno com o Vasco está bem encaminhada



Continue Lendo

Rodrigo Caetano surge como opção caso Alexandre Mattos deixe o Palmeiras



Continue Lendo

Caso vire empresa, investidores podem quitar dívida do Botafogo em até cinco anos



Continue Lendo