Time de vôlei de medalhista em Londres busca patrocínio para não ser excluído da Superliga



Após voltar ao Brasil com o ouro das Olimpíadas de Londres, a levantadora Fernandinha jamais poderia imaginar que sua carreira no vôlei ganharia contornos dramáticos um ano depois. Ao lado de outras 12 atletas – entre elas nomes conhecidos Renatinha, Thaís Barbosa, Cibele e Soninha – ela corre o risco de ficar sem time e perder o ano sem jogar. Se até esta terça, dia 13, o Jacareí não mostrar que tem condições financeiras de disputar a Superliga, o time será excluído.

O Jacareí formalmente pertence à Associação dos Professores de Educação Física (Apef) da cidade. Mas, pelo que as jogadoras dizem, a Associação apenas dá fachada legal à equipe. As jogadores dizem que mal tiveram contato com a diretoria da associação e que foram contratadas pelo então técnico Robson Guerreiro, a quem apontam como criador do time.

Segunda elas, foi Guerreiro que as procurou, em abril, e quem as “contratou”. As aspas se justificam. Embora a apresentação do time tenha acontecido no dia 10 de junho, não há nenhum contrato assinado, nem nenhum pagamento até o momento. Se houver solução, Guerreiro não participará mais dela, pois foi demitido na última quarta-feira.

De acordo com as jogadoras, Guerrero, ex-preparador físico do Sollys (agora Molico) e ex-assistente técnico do São Bernardo Vôlei, disse no início do ano que o time havia conseguido o patrocínio dos Correios e que receberia R$ 1,8 milhão para jogar uma temporada com a marca do Sedex. Guerreiro, segunda elas, ainda teria um co-patrocinador, uma fornecedora de material esportivo e uma de tênis.

Mas os patrocinadores não apareceram e não há mais como esticar o prazo, pois o sorteio da Superliga acontecerá no dia 14, quarta-feira.

– Antes de ele ser demitido, na semana passada, disse que ia resolver o problema e me chamou junto com a Renatinha para um encontro com um possível patrocinador. Chegamos ao local combinado e ele disse que a pessoa já tinha ido embora. Foi quando veio mais uma das loucuras, disse que ia levar o time para Embu, que lá ele já tinha R$ 500 mil para nos pagar – contou Fernandinha.

Ainda segundo as jogadoras, Robinho, como é conhecido no meio, sempre dava alguma desculpa para o pagamento não ser transferido para a conta bancária delas.

– Ele sempre tinha uma solução para a próxima terça-feira que ia chegar, mas o dinheiro e o patrocinador nunca apareceram. Cada vez era uma coisa diferente. Ao mesmo tempo, era arrogante e prepotente. Dizia que quem não quisesse mais, poderia ir embora. Não pensou que tinham meninas sem dinheiro, pedindo ajuda para a família. – afirmou a ponteira Thaís Barbosa.

Já sem clima, Robson Guerreiro foi demitido pela diretoria da Apef na quarta-feira da semana passada. Junto com ele, o preparador físico, Caio Augustus Borges, e o responsável pela captação de recursos para o time também saíram.

Guerreiro dá outra versão para o episódio e nega que tenha responsabilidades.

– Eu também tive de mudar minha vida e fiquei sem receber. A culpa não foi minha. É difícil apontar os responsáveis. Mas se a empresa (Correios) desistiu de dar o dinheiro para a gente, eu não tenho culpa – afirmou o técnico.
Mesmo sem emprego, Guerreiro diz que não irá desistir.

– Eu continuo procurando os patrocínios e agora vou oferecer para outros times, já que eles me tiraram de lá sem nenhum motivo e não tiveram paciência de esperar para receber. – completou.

Até a publicação desta reportagem, o coordenador da Associação de Professores de Educação Física, Antônio Carlos Magalhães, o Tonhão, não havia retornado os telefonemas do LANCE!.

Sem plano B, jogadoras correm por conta própria

Embora esteja inscrita para jogar a Superliga, a equipe de Jacareí só vai disputar o campeonato se conseguir um patrocinador para custear o projeto até terça-feira, dia 13, à noite. O sorteio que divide os grupos e organiza a tabela está marcado pela CBV para o dia seguinte.

Se não conseguirem, as jogadoras não devem disputar o campeonato. Quase todas as outras equipes que vão disputar a Superliga estão com o elenco formado e não têm mais verbas para contratar.

Na busca por um parceiro que financie a equipe, amigos e familiares se transformaram em “diretores” de marketing do time. Apesar do curto prazo, as atletas ainda acreditam que um milagre possa acontecer.

– A gente quer jogar juntas e vamos fazer tudo que for possível para disputar essa Superliga. A gente se deu muito bem e não queremos nos separar. Eu acredito que possa ter um salvador até quarta-feira. Estamos fazendo de tudo. Está todo mundo nos ajudando. – disse Fernandinha.



MaisRecentes

Governo admite que errou em MP que retira recursos do esporte



Continue Lendo

Sem resposta de Zé Ricardo, Milton Mendes entra no radar do Botafogo



Continue Lendo

Novo diretor de futebol do Fluminense, Paulo Angioni tem três nomes para lugar de Abel Braga



Continue Lendo