Diretoria do Flamengo espera duplicar arrecadação de bilheteria em 2013



Com Maracanã e Engenhão impedidos de serem usados pelos times do Rio de Janeiro, o Flamengo pretende aproveitar o inconveniente para gerar novas receitas para o clube. A fórmula é simples: mandar o maior número de jogos possível fora do estado, aproveitando, inclusive, a inauguração das novas arenas que vão ser palco da Copa do Mundo.

A diretoria, que já tem recebido algumas consultas e propostas para as próximas partidas, cogita a possibilidade de ter até um lugar fixo fora do Rio para jogar, desde que a proposta seja vantajosa.

– Uma coisa é certa, nós não vamos ter gastos. Quem paga é quem convida. Temos duas maneiras de receber: cota fixa ou porcentagem da bilheteria. Vamos ver quem tem vantagens melhores para oferecer. Pode ser um só lugar ou pode ser em diversos estádios – afirmou Rodrigo Tostes, vice de finanças.

Além do critério financeiro, o clube quer levar o time para jogar nos locais onde têm mais torcedores, sendo também uma forma de potencializar o sócio-torcedor, relançado no mês passado. Três lugares são vistos como positivos pela diretoria: Manaus, Natal e Brasília.

A diretoria espera ainda poder contar com o Maracanã neste ano, para ajudar a multiplicar a renda de bilheteria. Questionado sobre a possibilidade de ter um estádio nos mesmos moldes do Corinthians, Tostes disse que não é a prioridade.

– Por ora, estamos trabalhando com a possibilidade do Maracanã. Em jogos fora, queremos ir onde o Flamengo tem mais torcida. O nosso caso não se compara com o do Corinthians, nossa torcida não é local, mas sim nacional – explicou.

Mando: Ferj vai ver caso a caso

Embora seja uma vontade do Flamengo, quem vai decidir se o clube mandará seus jogos fora dos estádios do Rio de Janeiro é a Federação do Rio (Ferj).

– O futebol do Rio de Janeiro passa por um momento que merece atenção especial, sem seus principais estádios. Por isso, vamos estudar caso a caso os pedidos dos times para jogarem em arenas de outros estados – explicou o presidente da Ferj, Rubens Lopes, ao LANCE!.

Além do Maracanã e do Engenhão, o São Januário também vai deixar de ser opção no fim do mês de maio, já que vai ser usado por seleções participantes da Copa das Confederações.



MaisRecentes

Governo admite que errou em MP que retira recursos do esporte



Continue Lendo

Sem resposta de Zé Ricardo, Milton Mendes entra no radar do Botafogo



Continue Lendo

Novo diretor de futebol do Fluminense, Paulo Angioni tem três nomes para lugar de Abel Braga



Continue Lendo