Penalty e São Paulo batem cabeça sobre time de futsal



A nova fornecedora de material esportivo do São Paulo e a diretoria do clube se contradisseram sobre como funcionará a parceria para o futebol de salão. Segundo diretores da Penalty, não haverá investimento específico na modalidade.

– Não vamos ajudar em salários. Nosso contrato é um contrato técnico, vamos dizer assim. Vamos usar nosso conhecimento para ajudar o time de futsal. – afirmou Alexandre Stefano, diretor de negócios internacionais e porta voz da Penalty na apresentação do novo uniforme do time profissional, que aconteceu no final da manhã desta quinta-feira no Morumbi.

O gerente de Marketing da Penalty, Edmundo Mattos, confirmou a posição do diretor:

– O contrato envolve apoio para todas as categorias, desde o time de game até o profissional, o futsal é a mesma coisa, nada de diferente.

No entanto, segundo o diretor de futsal do São Paulo, Fernando Bracalle Ambrogi, o clube não vai gastar um centavo com o time e todos os custos ficam por conta da Penalty. No ano passado, o clube atuou com o nome de São Paulo/Londrinense. No final deste mês será anunciada a nova equipe, a São Paulo/Suzano/Penalty.

Após o evento, o vice-presidente de Comunicação e Marketing do São Paulo, Julio Casares, afirmou que, embora os gastos fiquem por conta da Penalty, a gestão será compartilhada.

O objetivo do clube e da empresa é formar um time para chegar às semifinais da Liga Futsal, o campeonato brasileiro da categoria. A parceria tenta contratar pelo menos dois nomes fortes, que estejam na Seleção Brasileira. Os reforços podem ser anunciados neste mês.

O LANCE!Net apurou que, embora a parceria esteja no acordo geral de patrocínio no valor de R$ 1,6 milhão, o dinheiro para a modalidade não está contabilizado entre os R$ 35 milhões, valor oficial do contrato. Apurou também que Stefano não participou das reuniões de negociação do acordo e só foi ao evento porque o pai, Roberto Stefano, presidente da companhia, não pôde comparecer.



  • Marcio

    Parece que não houve analise antes da assinatura do contrato

  • jairo

    Este time de futsal do São Paulo´não tem identidade com ninguém. Cada ano esta numa cidade. A última vítima foi Londrina (PR) que acabou ficando na mão este ano.

  • Também com 36 milhões de patrocínio, é saber dividir essa grana para outras modalidades, além do futebol, que evidentemente deve ficar com a parte do leão. Alguma dúvida?

MaisRecentes

Se estrear na próxima rodada, árbitro de vídeo não será para todos os jogos da Série A



Continue Lendo

Licenciamento vira argumento de CBF e clubes para minimizar liminar contra exigência de CND



Continue Lendo

CBF faz ‘parte 2’ de reuniões sobre árbitro de vídeo nesta quarta



Continue Lendo