Comunicadores geram confusão entre árbitros



O único recurso eletrônico permitido pela comissão de arbitragem da CBF está gerando confusão nas partidas.

Segundo árbitros ouvidos pelo LANCE!, a CBF comprou neste ano radiocomunicadores e determinou que os sextetos de arbitragem os usem sem fazer treinamento adequado. Em alguns estados, o treino prático resumiu-se a duas horas.

Segundo os árbitros, como o canal de voz é aberto, é comum que assistentes e adicionais falem ao mesmo tempo ou na hora que precisam tomar uma decisão rápida, prejudicando o discernimento.

Os árbitros dizem que eles mesmos, aos poucos, estão achando modos mais eficientes de usar o rádio.

A compra dos comunicadores foi uma das primeira decisões do presidente da CBF, José Maria Marin. Ele atendeu a um pedido da Conaf que Ricardo Teixeira vinha enrolando havia mais de um ano.

Mas não há rádios para todos os jogos. Por ora, é usado apenas nas Séries A e B e alguns jogos da C.

Outro complicador é que, junto com os rádios, foram introduzidos os assistentes adicionais, igualmente sem um treinamento adequado. Na Europa, os árbitros primeiro treinaram esses recursos em jogos de categorias de base. (MD)



  • Adriano vieira brito

    E o palmeiras só se fode nasta história toda

  • Adriano

    E o palmeiras o que tem com isso,só no jogo do palmeiras que acontece isso tá de brincadeira

MaisRecentes

Ana Paula Oliveira vê árbitro de vídeo como ajuda e confia em bom treinamento



Continue Lendo

Nuzman está inclinado a se explicar na Câmara sobre escândalo



Continue Lendo

CBV visita cidade que pode receber seleções de vôlei nos Jogos de 2020



Continue Lendo