Clubes tentam frear penhoras judiciais



Patricia Amorim, Roberto Dinamite e Peter Siemsen, presidentes de Flamengo, Vasco e Fluminense, respectivamente, estiveram reunidos ontem com o presidente do Tribunal Regional Federal (TRF), no Rio, para tentar entrar em acordo com a Justiça Federal para impedir penhoras de receita por causa da dívida fiscal. Fla e Flu tiveram recentemente parte do dinheiro das luvas de extensão do contrato com o Globo penhorados. O Rubro-Negro tem duas pré-autorizações da Receita para novas penhoras.

Inflação
O Fluminense fez andar o apoio da Prefeitura para construir o seu CT. Mas o dono do Banana Golf aumentou o preço do terreno e fez o projeto empacar de novo, pois o clube precisa de mais dinheiro. O clube evita falar do assunto para não criar mais expectativa numa das principais promessas eleitorais de Peter Siemsen.

Corredor
A diretoria do Palmeiras vai decidir nas próximas semanas se vai manter ou dissolver o Palmeiras B. Recentemente, a equipe sofreu grande redução no elenco. Teve 32 dos 56 atletas dispensados, e redução de custo mensal de R$ 350 mil para R$ 200 mil. A avaliação de parte da diretoria é que os investimentos com o time B não se justificam.

Departamento alvo
O gerente de marketing do Corinthians, Caio Campos, é alvo de críticas de dirigentes e conselheiros do clube, que já atacavam o vice-presidente Luis Paulo Rosenberg, ex-diretor. Criticam a eficácia das últimas iniciativas do departamento e dizem que Campos não aceita ideias e sugestões que venham de fora do departamento.

Balcão
O Cruzeiro assiste de camarote à pendenga no Mineirão. A minuta do contrato, ainda não concluída, para uso do estádio está com a redação sob responsabilidade da Minas Arena, e não da Lusoarenaso. O clube obteve direito de comercializar algumas propriedades além dos 52 mil lugares previstos no contrato de concessão.

Por Alá
O Vasco espera receber na próxima semana duas parcelas da venda de Diego Souza no valor de 2,5 milhões de euros que estão atrasadas. O Bradesco reteve a primeira por causa do Sela Group, que fazia o pagamento em nome do Al-Ittihad (SAU). Os sauditas culparam o Ramadã por causa do restante do atraso.

Injeção
A SPE encabeçada pela Andrade Gutierrez, responsável pelas obras do Beira-Rio para a Copa-14, já encaminhou o pedido de empréstimo de R$ 231 milhões ao BNDES, pela linha de crédito do ProCopa. A construtora aguarda para ainda este mês a aprovação do pedido. A obra está orçada em R$ 330 milhões.

Planilha
O Fluminense prepara mais um corte no quadro de funcionários, atualmente com 511 contratados. Os cortes, no entanto, dependem de uma folga maior no caixa. O clube tem como política pagar as rescisões trabalhistas de imediato, para não correr o risco de ser excluída mais uma vez do Ato Trabalhista.

Aumento
O atacante Luis Fabiano, do São Paulo, vai pedir uma valorização em seu contrato caso permaneça no clube após encerrar as negociações com o Al Rayyan, do Qatar. Atualmente, ele ganha cerca de R$ 250 mil mensais do São Paulo, mas tem proposta para receber o dobro no Qatar. Até segunda-feira o Al Rayyan deve oferecer R$ 18 milhões pelo jogador.

DE LETRA
“Agora que estou no COL, percebo que organizar uma Copa do Mundo dá trabalho”
Bebeto, membro do Conselho de Administração do Comitê Organizador Local da Copa de 2014, que disputou três Copas do Mundo, fora um Mundial sub-20 e uma Olimpíada. O ex-jogador e atual deputado estadual pelo Rio está no cargo desde fevereiro.



  • jadeir gomes

    Acho justo o Luiz Fabiano ter um aumento,ele é diferenciado e desperta interece a outros clubes

  • marcos aurelio

    Qual a razão para omitir a presença do presidente do Botafogo nessa “reunião” no TRF ?

    Seria alguma forma de proteção ?

    Curioso isso ,já que eu vi com meus proprios olhos o mauricio,o dinamite e o peter reunidos na porta do TRF .

  • Hygino Schueler Vieira

    Há alguns jornalistas, alguns não, uma maioria de jornalistas que posam de vestais e criticam a proposta de um deputado para que o governo anistie os clubes de suas dívidas fiscais. O projeto tem como contrapartida o investimento em esportes olímpicos. Gostaria de dizer para esses jornalistas que os clubes são credores do Estado, não devedores. Primeiro, os clubes são instituições sem fins lucrativos, deveriam ser isentos de todos os impostos; segundo, e o mais importante, os clubes são instituições sociais. Todos os grandes clubes têm crédito nessa contrapartida que a proposta de anistia exige agora, pois, o Fluminense como exemplo, os investimentos em esportes olímpicos têm a idade de um século.
    Falando só do futebol, que é um esporte olímpico: todos os clubes mantém centros de treinamento que tiram da marginalidade social milhares de jovens, ano a ano. Esses jovens são tratados, digo cuidados, num nível que nenhum órgão do governo é capaz de fazer. Os clubes exigem frequência escolar, dão apoio psicológico e treinamento. Os jovens que não conseguem chegar ao nível profissional, saem dos clubes já com algum preparo educacional, e moral, para que continuem suas vidas. Para cada atleta “criança” que consegue chegar ao estrelato, centenas são cuidados pelos clubes. Esse investimento que os clubes fazem com reflexo direto no social, se somado por 50 anos, 70 anos, um século, no caso do Fluminense, um século mais dez anos, repito se esse investimento for somado representa em retorno para o país bem mais do que os clubes devem ao governo. E tem mais, os clubes são obrigados a recolher INSS de jogadores que jamais recebem seus salários do Órgão Social quando estão machucados, por acidente de trabalho. Os clubes continuam pagando seus salários. Não se justifica, portanto, o recolhimento do imposto. Resumindo, os clubes são credores do Estado, não devedores. E me irrita a atitude de jornalistas, que não pensam, por incapacidade intelectual ou preguiça, que vêm a público dizer que os clubes não merecem a anistia. Não é questão de merecimento, é compensação de crédito que têm com o Estado. Quanto à responsabilidade administrativa dos dirigentes, acho que as más condutas acontecem por culpa do Ministério Público, estadual e federal, que não fiscalizam e indiciam criminalmente os cartolas corruptos e desonestos.

    Hygino, ainda bem que o Brasil não têm muitos como você, ou estaríamos falidos. Sua visão da ação dos clubes é completamente distorcida. Em primeiro lugar, o número de atletas atendidos é muito menor. Em segundo os clubes já têm um imenso desconto do INSS dado pelo governo. Em terceiro as condições de treinamento dos atletas é em quase todos os casos precária, vide o garoto da base do Vasco que morreu por falta de atendimento (e categoria de base de futebol, longe de ação social, é investimento altamente lucrativo). Os jogadores recebem, sim, salário do INSS quando estão machucados. Só que o salário é limitado À contribuição, cujo máximo é 20 salários mínimos. O clube completa o resto.
    Pela quantidade de bobagens que você escreveu, sie que seu problema não é incapacidade intelectual, nem preguiça, mas uma tremenda falta de informação.
    Um abraço e volte sempre

  • MIIKE

    ESTE TIME DA ORGANIZACAO DA COPA DO MUNDO É MUITISSIMO FRACO…. ESTAO PRECISANDO DE MUITA ASSESSORIA……………..

  • andreluis carvalho do amaral

    FORA PRESIDENTE

  • Alberto Mota

    Alô Patrícia Amorim, acorda, manda 50% desses manbecas embora e contrata uns 03 bons jogadores, o fla é time de elite e ñ de várzea, quase 50 milhões de torcedores e sofrendo a todo jogo, q diabo é isto muié.

MaisRecentes

Com Brasil x Paraguai, Globo tem a maior audiência desde a Copa-2014



Continue Lendo

Luvas do Esporte Interativo impulsionam receitas do Bahia em 2016



Continue Lendo

Jogos da Seleção pelas Eliminatórias geram quase R$ 50 milhões de receita bruta à CBF



Continue Lendo