SPFC 2 x 0 São Caetano: agonia e êxtase



foto: Rubens Chiri

Uma combinação de raça, sofrimento e sorte determinou a vitória por 2 a 0 do São Paulo sobre o São Caetano, no Morumbi. O Tricolor lutava, mas a bola não entrava e, quando tudo demonstrava empate e desclassificação nas quartas de final do Paulista, uma falha alterou a dinâmica da partida.

Aos 19/2T, o goleiro Paes do São Caetano recebeu uma bola recuada na área, armou para dar um chutão, mas Tréllez pressionou, dividiu, a bola subiu e ficou na medida para o colombiano colocar de cabeça para a rede.

Antes desse lance, o São Paulo passou 65 minutos (46 + 19) lutando contra os seus demônios, tentando furar a bem postada defesa do São Caetano. Vez ou outra chegava ao gol adversário, mas nada que se materializasse com uma grande chance.

A intensidade Tricolor aconteceu mais nos primeiros 15 minutos de partida, período em que teve bola na trave, tentativa de cobertura, verticalizações com Valdívia e chutes de fora da área.

Verdade é que o lance mais perigoso antes do gol só acontece aos 39/1T, e não nasceu de uma jogada articulada, mas de um lateral: Reinaldo, na direita, cobrou um lateral-escanteio, a bola voou até o centro da pequena área, o goleiro não achou nada e a bola encontrou a cabeça de Bruno Alves, que parecendo não acreditar, cabeceou para fora com o gol completamente livre.

+ Acompanhe o Crônicas no Morumbi no Facebook
+ Leia também os blogs do Lance: Gol de Canela | Papo de Boleiro

O São Caetano que até os 30/1T só se defendeu, nos quinze minutos finais do primeiro tempo começou a se soltar e teve duas grandes oportunidades em jogadas oriundas de contra-ataque.

Mesmo mais empenhado, o São Paulo não conseguiu ter a intensidade suficiente para marcar e a primeira etapa termina com vaia da torcida.

Vaia que se estendeu até o início do segundo tempo, quando as arquibancadas viram no placar eletrônico o comunicado de que Aguirre tirara Valdívia para a entrada de Lucas Fernandes.

Foi a faísca na pólvora para a torcida, além de vaiar, chamar Aguirre de burro. Manifestação precipitada provocada pela agonia da possibilidade cair nas quartas para um time que subira este ano da segunda divisão do Paulista. Valdívia, com dores na coxa, pedira para sair.

O torcedor pensou: – Se o time está com dificuldades com Valdívia, como ficará a equipe sem ele?

Mal sabiam que o garoto Lucas Fernandes entraria muito bem na partida, mantendo a mobilidade de Valdívia, construindo jogadas pelo meio, caindo pelas pontas, criando situações de jogo e abastecendo o ataque.

Vale o registro que Lucas Fernandes, além de entrar muito bem, ainda melhorou o futebol de Nene, que já estava muito bem na partida, correndo o tempo todo, ajudando na marcação, construindo jogadas, lutando, brigando como um garoto.

O cronômetro avançava e a agonia aumentava. O time não estava mal, porém também não conseguia transformar o domínio e a pressão em gol. Aos 17/2T, Aguirre começa a partir para o tudo ou nada. Sacou Marcos Guilherme, que fez boa partida, para a entrada do jovem Caíque.

O São Paulo parecia no limite e não se via força para quebrar o zero do placar. Mas eis que o destino favoreceu: o lateral direito do Azulão recuou a bola para o goleiro Paes, que demorou para ajeitar e enfiar o bico para frente, Tréllez acreditou, dividiu, a bola travada subiu e ficou na medida para o colombiano colocar para a rede.

O 1 a 0 levaria a decisão para os pênaltis. O São Caetano, atordoado diante da falha de Paes, resolver reforçar o meio-campo, fechar a casa e jogar a chave fora.

Por outro lado, Aguirre, aos 34/2T, parte para o tudo o nada. Tirou o volante Liziero, garoto que mostrou bola e personalidade, para colocar Diego Souza em sua posição, no meio chegando ao ataque e manteve Tréllez de centroavante.

Cinco minutos depois, aos 39/2T, êxtase e classificação: na esquerda, Lucas Fernandes tocou para Nene, que devolveu de calcanhar, o garoto invadiu a área, cruzou, Diego Souza subiu, meteu a cabeça, a bola bateu na trave, percorreu a linha do gol, o goleiro não interceptou e entra para o gol.

Comemoração, desabafo e alívio. Nos minutos restante, o Tricolor segurou o resultado e garantiu a classificação para a semifinal do Paulista.



MaisRecentes

Pedir a cabeça de Aguirre é solução para o São Paulo?



Continue Lendo

Virada do Inter expõe um SPFC nem reativo, nem criativo, nem competitivo



Continue Lendo

Inter x SPFC: praticamente um mata



Continue Lendo