Sob vaias no Morumbi, São Paulo não atravessa a Ponte e permanece no rebaixamento



ponte2

Mais uma vez a torcida compareceu em massa ao Morumbi, que recebeu um público de 42.724. E mais uma vez, o São Paulo jogou mal, e decepcionou dentro de casa com um empate em 2 a 2, depois de estar em vantagem até os 19 minutos do segundo tempo, quando Jucilei meteu o braço da bola, cometeu pênalti, foi expulso e o Tricolor ficou com um jogador a menos. Depois de 12 dias de treinamento, o São Paulo apresentou o mesmo futebol limitado.

Com isso, o São Paulo não consegue atravessar a Ponte Preta dentro de casa, amargou um empate e permanece na zona de rebaixamento, com 24 pontos em 23 rodadas.

Os times entraram em campo com as propostas muito bem claras. A Ponte, visitante, toda fechada à espera de um contra-ataque, enquanto o São Paulo tentava se superar para romper as linhas defensivas da Macaca.

O São Paulo, na força, na superação e no calor da torcida, que deu outro show de apoio, bem que tentou, mas verdade é que não fosse outro gol de bola parada de Hernanes, mal conseguira chegar ao ataque com perigo real.

Em longos 30 minutos do primeiro tempo, foram apenas duas oportunidades, em letras minúsculas. Quando tudo caminhava para um zero a zero na primeira etapa, aos 34/1T, Hernanes cobrou uma falta no ângulo de Aranha, abrindo o placar, trazendo alívio e esperança.

O segundo tempo chegou com a vantagem de 1 a 0 no placar e a esperança de 3 pontos, para afastar o time da zona de rebaixamento. Fé que foi ampliada aos 12/2T, quando o São Paulo cobrou escanteio, Lucas Pratto cabeceou para o alto em direção à pequena área, Bruno Alves subiu com Aranha, que vacilou, deixando a bola encontrar a cabeça do zagueiro tricolor e empurrar para a rede, abrindo dois no placar.

Mesmo jogando mal, não construindo jogadas e os gols, assim como aconteceram contra o Cruzeiro, nascendo de bolas paradas, fato é que o São Paulo computava 2 a 0 no placar. Não era preciso jogar bem, era preciso somar 3 na tabela.

Mas a noite de sábado reservava um empate desesperador para a torcida tricolor.

Um sinal de que a partida não estava encerrada acontecera aos 16/2T, quando, depois de escanteio cobrado pela Ponte, Luan Peres subiu sozinho, cabeceou e Sidão salvou.

Na sequência, depois de bate-rebate, jogada embolada na área e a bola sobrou para a Ponte, que bateu e Jucilei meteu o braço, evitando o gol, mas sendo expulso. O gol da Macaca veio na cobrança da penalidade, dos pés de Danilo.

Aos 27/2T, por pouco a Ponte não empatou. Cruzamento na área, Rodrigo Caio não acompanha Léo Gamalho, que toca de cabeça, Sidão salva outra fez e a bola ainda toca a trave. As bolas áreas lançadas de longe pela Ponte criaram muitas dificuldades para a defesa do São Paulo.

Com um jogador a mais, o São Paulo ainda jogando mal e sentindo o peso de um possível empate nos próximos minutos, a Ponte cresceu.  O gol de empate da Ponte vinha sendo desenhado.

E chegou aos 29/2T. Cobrança de escanteio, Léo Gamalho se aproveitou do vazio da defesa tricolor e testou forte, sem chances para Sidão, que fez uma boa partida e salvou o tricolor de não ter saído com a derrota. Rodrigo Caio, nas bolas, novamente, fora mal nas bolas alçadas na área.

Com o segundo gol da Ponte, além do empate, que fez o São Paulo permanecer na zona de rebaixamento, a defesa do tricolor passou a ser a 2ª mais vazada do campeonato.

Depois do empate, mesmo com Dorival colocando Cueva para tentar uma jogada de ataque, verdade é que o São Paulo, por mais que tentava chegar ao ataque, com um a menos, ficava ainda mais exposto, podendo transformar o péssimo empate em casa em um desesperador derrota.

O São Paulo se arrastou até o apito final, momento em que a torcida, com a 3ª maior média de público e declarando amor incondicional ao time, não conteve uma imensa e prolongada vaia.

O clube da fé, com uma torcida que lota o estádio, mesmo com o time na zona de rebaixamento, parece começar a olhar para o céu em busca de uma resposta para tamanho mal futebol.

Para fechar mais uma noite tenebrosa para o São Paulo, Cueva, que entrara aos 43 minutos do segundo tempo, no lugar de Marcos Guilherme, na tentativa de ser entrevistado, soltou: “Fala com o Rodrigo Caio. O Rodrigo Caio que vai falar”, dando margem para uma resposta do peruano aos comentários da coletiva do zagueiro tricolor.

Só restou ao São Paulo assistir à Macaca comemorar o empate fora de casa, enquanto o mico subiu no ombro dos torcedores tricolores. O sentimento da torcida, sintetiza-se na declaração de David Zaita que, ao sair do estádio, disse: “estou indignado, o time é muito ruim, está na hora de parar de a torcida ficar só apoiando sem cobrar esses jogadores. Senão, vamos cair para a segunda divisão”.

Na próxima rodada, o São Paulo enfrentará outro adversário direto na luta contra a degola, o Vitória, na Bahia. E, para complicar, depois dos baianos, terá de encarar o líder Corinthians, no Morumbi.



MaisRecentes

Embaixadas Tricolores de 10 estados apoiarão o São Paulo contra o Corinthians



Continue Lendo

Vitória 1 x 2 SPFC: muito mais que três pontos



Continue Lendo

Nunca uma vitória foi tão necessária ao São Paulo



Continue Lendo