Shaylon tem de assumir a 10 do São Paulo



Shaylon tem a oportunidade e a responsabilidade de reinventar o meio-campo Tricolor

Shaylon tem a oportunidade e a responsabilidade de reinventar o meio-campo Tricolor

A temporada 2016 foi uma das piores para o São Paulo Futebol Clube. Só não foi totalmente uma catástrofe por dois motivos: raspou, mas não caiu para a segundona e os times da base fizeram tudo o que o principal não fez, conquistando títulos e mais títulos.

O ano virou com Rogério Ceni no comando do Tricolor. O Mito tem a função de resgatar um clube que chafurdou nas tabelas dos campeonatos e na lama política que tomou o lugar dos gramados.

Tendo que se reinventar com poucos recursos, eis que a base novamente surge como alternativa para a montagem de um bom elenco e, consequentemente, equipe.

Dentre os garotos que emergiram nessa nova safra está o nome de Shaylon, um camisa 10 que o São Paulo, não contratou no mercado.

Não tendo um 10 consagrado no elenco, e tudo indicando que não virá mesmo, por que não colocar o garoto para jogar?

Se o passaporte para um jovem subir ao profissional é jogar bem e conquistar títulos na base, Shaylon construiu currículo suficiente para vestir a camisa 10 Tricolor em outro patamar.

Rogério Ceni está certo em contrariar alguns dogmas que se criaram no mundo da bola, de que alguns garotos precisam de tempo para serem maturados.

Quantos jogadores ao longo da história não chegaram ao profissional com menos de 20 anos e foram adiante? Nem citemos Pelé, que é de outro planeta, e que com apenas 17 anos, estava dando chapéu e marcando gol em final de Copa de Mundo.

Firulas retóricas à parte, fato é que se o moleque joga bem, tem de subir, mostrar personalidade e dar o primeiro passo (e passe) para realização do seu maior objetivo, que é justamente chegar ao profissional.

O meia canhoto Shaylon não tem nada mais o que provar na base. Agora é o momento decisivo. Para o São Paulo, a necessidade de um 10, ainda melhor se formado na base; já para Shaylon, a oportunidade – dessas que passam poucas vezes na vida – para mostrar que poderá vir a ser um grande jogador.

O nome Shaylon é parecido com Shazam, antigo personagem dos desenhos animados, que recebia um raio e adquiria super-poderes para restabelecer a ordem e a paz no mundo. O tempo de Shaylon é agora, de assumir a 10 do São Paulo e restabelecer a criatividade e a ordem no meio-campo Tricolor, um dos setores vilões depois da saída de Ganso.



MaisRecentes

Conselheiros marcam posição na reunião do Conselho Deliberativo do São Paulo



Continue Lendo

Newton Ferreira: “São Paulo precisa de pessoas que sirvam ao clube e não que se sirvam dele”



Continue Lendo

São Paulo e Avaí empatam com olhos de Ressacada



Continue Lendo