Bê-a-bico para passar pelo ABC



Bico na bola: Cueva enfia o dedo, empata e garante classificação do SPFC na Copa do Brasil

Bico na bola: Cueva enfia o dedo, empata e garante classificação do SPFC na Copa do Brasil

Pela Copa do Brasil, o São Paulo foi a Natal enfrentar o ABC com a vantagem de 3 a 1 construída na primeira partida. Se o tento do time potiguar no Morumbi deixou em aberto a classificação, na partida de volta, os potiguares viram abrir um portal para a próxima fase do torneio com um gol marcado em menos de dois minutos de partida. O ABC lutou, correu, foi pra cima, mas Cueva, garantiu o empate em 1 a 1 e a classificação do São Paulo com um gol de bico.

A zaga do São Paulo é o setor mais regular do time: não tem uma partida em que não falha. No duelo contra o ABC, a história se repetiu. Na partida do Morumbi, cobrança de escanteio, Márcio Passos subiu no meio de dois jogadores do São Paulo e marcou. Na partida em Natal, com 1 minuto e 40 segundos, outra cobrança de escanteio, bola que entra na pequena área, Lugano não encontra a bola, e outra cabeçada de Márcio Passos, para outro gol, que elevou a térmica do Frasqueirão.

O gol no início, sem dúvida, era tudo o que Ceni menos esperava. Mas, mesmo com temperaturas elevadas, o ABC pilhado e a torcida inflamada, a resposta do São Paulo foi rápida.

Aos 4/1T, cruzamento de Buffarini em direção à área, Nem meio que trombou, bateu com o peito na bola, a bola entraria, mas o zagueiro Cleiton, numa “puxeta improvável”, tirou a bola na linha do gol. A bola ainda ficou viva, sobrou para Cueva, que bateu e explodiu na zaga.

Como não bastasse a falha da zaga, o São Paulo perdeu Rodrigo Caio, com problema no joelho, antes dos 10 minutos de partida. Com isso, Ceni teve que colocar o jovem Lyanco para formar a dupla ao lado de Lugano.

Aos 10/1T, outra oportunidade para o Tricolor. Cícero fez boa jogada pela esquerda, cruzou na área para Gilberto que, livre de marcação, pegou mal na bola. Com oito minutos depois do gol do ABC, fato é que o São Paulo poderia ter virado o placar.

As propagações das arquibancadas do Frasqueirão eleveram o calor da partida. O ABC lançava-se ao ataque em busca do segundo; por outro lado, o São Paulo tentava assimilar a correria que o time potiguar colocava no jogo.

A correria do ABC nada tinha a ver com a intensidade. O São Paulo estava na partida, correndo, mas de forma estabanada, afaboada, não organizado como propõe Rogério Ceni.

A partida ficou num lá e cá, até que, aos 33/1T, Erivélton avançou pela direita, cruzou na área, Nando antecipou Lyanco, meteu a cabeça na bola e Denis fez uma defesaça, salvando o São Paulo de um 2 a 0 na primeira etapa.

Aos 37/1T, uma ducha para o São Paulo no Frasqueirão. Contra-ataque, Cueva avançou pelo meio, abriu para Gilberto na direita, que deu um corte no zagueiro do ABC, voltou para o peruano, já no meio da área, para enfiar o bico, empatar a partida e tranquilizar a equipe para encerrar a primeira etapa.

No segundo tempo, foi a vez do São Paulo quase virar o placar, em jogada de bate-rebate na área, Lyanco enfiou o pé e bateu à direita do gol de Edson.

Se na primeira etapa o gol do ABC deixou o São Paulo nervoso, tenso, estabanado, o empate de Cueva fez com que o Tricolor voltasse para o segundo tempo melhor posicionado, trocando passes, controlando a correria dos potiguares.

Controlando os ímpetos do ABC, organizando-se melhor para o contra-ataque, aos 21/2T, Gilberto recebeu uma bola em profundidade, saiu na cara do goleiro, tentou um gol por cobertura, mas Edson pegou.

Depois de fazer de bico, construir jogadas e apanha pra caramba do rodízio de sarrafos do ABC, Rogério Ceni resolveu preservar o jogador substituindo-o pelo garoto Lucas Fernandes, que, aos 31/2T, desperdiçou uma excelente oportunidade de virar o placar. Entrou sozinho na área pelo lado direito, e também cara-a-cara com a meta, enfiou o pé para a bola explodir em Edson.

Voltando de lesão e ainda tentando encaixar seu melhor futebol, aos 32/2T, Nem saiu para dar lugar a Luiz “Elétrico” Araújo.

Mesmo com a partida controlada pelo São Paulo, o ABC arriscava e ainda conseguiu fazer uma bola resvalar na trave, isso aos 40/2T. Mas o São Paulo arrasou a partida, garantiu o empate e a classificação para a próxima fase da Copa do Brasil.

A zaga voltou a falhar. É o grande calcanhar da equipe de Rogério Ceni.

Denis, que na partida contra o ABC salvou o São Paulo com pelo menos duas grandes defesas, no contrapé, foi infeliz em sua entrevista ao final do jogo, dizendo que recebe muitas críticas e que muitos se escondem em blogues e redes sociais.

Importante ressaltar que não há uma perseguição a Denis, goleiro que teve um ano inteiro para mostrar sua condição na meta Tricolor, oscilou demais, ora fazendo defesas homéricas, ora tomando frangos homéricos. E, mais recentemente, voltando a falhar na partida contra o Palmeiras.

Não há distorção dos fatos. Há constatação. Se fecha o gol, como contra o ABC, está registrado, no entanto, se se falha, também não se pode tentar tapar o sol com a peneira.



MaisRecentes

Empate dá adeus ao São Paulo no Paulista



Continue Lendo

São Paulo joga muito, vence, mas Cruzeiro segue na Copa do Brasil



Continue Lendo

Chão de estrelas tricolor



Continue Lendo