São Paulo 2, Elefante em branco



Rodrigo Caio e Pratto conseguiram furar o bloqueio do Elefante de Lins

Rodrigo Caio e Pratto conseguiram furar o bloqueio do Elefante de Lins

Em partida no Morumbi, mas com mando do Linense, o Elefante abriu não só abriu mão de jogar próximo de sua torcida como também de disputar o jogo, que foi de um time só, já que o Linense ficou o tempo todo se defendendo. De tanto martelar, o São Paulo encontrou dois gols: um contra, e outro, aos 48/2T, em cabeçada de Pratto.

O São Paulo dominou completamente o jogo. A posse de bola chegou quase a 70%, as finalizações foram muitas, mas furar o bloqueio do Linense não foi tarefa fácil.

A supremacia Tricolor nos números não significou uma partida vistosa com a bola nos pés. Muito em parte devido ao Linense, que não veio para jogar. Sem Cueva no meio para articular as jogadas, o Tricolor buscava as pontas por meio de Nem e Luiz Araújo para abrir o “ferrolho” do Linense.

Depois de um primeiro tempo em branco, o São Paulo abriu o placar aos 4/2T, em jogada que começou no cruzamento de Buffarini, Rodrigo Caio meteu a cabeça, a bola desviou no zagueiro do Elefante e tirou do goleiro.

Mesmo perdendo, o Linense não se propôs a jogar e a partida permaneceu no esquema de ataque contra defesa. Com o passar do tempo, a intensidade do São Paulo diminuiu.

Quando tudo caminhava para encerrar o jogo em 1 a 0, eis que Rogério Ceni, aos 47/2T, resolveu tirar Nem e colocar Shaylon. O garoto, na primeira bola, recebeu na esquerda, cruzou para o meio da área, Cícero bateu, o goleiro defendeu, mas a bola subiu na medida para Pratto enfiar para o barbante.

Além do resultado, notícia boa para os tricolores foi a boa atuação de Jucilei à frente da zaga. Mais magro, mais dinâmico, deu consistência defensiva e foi o principal jogador para articular a saída de bola do Tricolor entre a defesa e o meio-campo. Outro que jogou um bolão foi Júnior Tavares, melhorando ainda mais a cada partida.

Não havia tempo para mais nada. O árbitro encerrou a primeira partida da quartas-de-final do Paulista 2017. O São Paulo abre uma imensa vantagem sobre o Linense e ainda poderá se dar ao luxo de entrar com um time mesclado para o próximo jogo, considerando que tem uma dura jornada a enfrentar o Defensa y Justicia, da Argentina, pela Sul-Americana; e o forte Cruzeiro, de Mano Menezes, pela Copa do Brasil.

O Elefante, passou em branco, tanto no placar quanto na arrecadação. Em sua estratégia furada do seu presidente em realizar o jogo no Morumbi, na expectativa de levantar uma grana, com apenas 15.480 torcedores e renda de R$ 396.216,00, gastos fora, levou apenas cerca de R$ 60 mil.

O São Paulo, que nada tem a ver com a equivocada opção do Linense, jogou em casa, fez dois e bem encaminhou a classificação para a semifinal. Quanto à questão do mando de jogo, não se pode, de forma alguma, penalizar o Tricolor, uma vez que a “brilhante ideia” partiu do Linense.



MaisRecentes

Empate dá adeus ao São Paulo no Paulista



Continue Lendo

São Paulo joga muito, vence, mas Cruzeiro segue na Copa do Brasil



Continue Lendo

Chão de estrelas tricolor



Continue Lendo