Inter x SPFC: praticamente um mata



Nesses tempos de polarização no Brasileirão, não há como fugir do debate. O embate é jogo a jogo. Os times têm de entrar em campo e encarar o adversário. Cada ponto conquistado vale o segundo turno e, consequentemente, o título do campeonato.

O São Paulo, ocupando a quarta posição, com 52 pontos, vai ao Rio Grande do Sul enfrentar o Internacional, em terceiro, com 53. É praticamente um mata-mata, porque quem perder poderá estar dando adeus às pretensões ao título. A partida será às 16 horas deste domingão, no Beira-Rio.

+ Acompanhe o Crônicas no Morumbi no Facebook
+ Leia também os blogs do Lance: Gol de Canela | Papo de Boleiro

Além do confronto direto, olhando para a tabela, Inter e São Paulo assistiram ao Flamengo enfiar três no Fluminense e subir para a segunda posição, com 55 pontos. No mesmo horário, na capital paulista, o líder Palmeiras, com 56, enfrentará o Grêmio, que está em quinto, com 51.

Isto posto, fato é que para Inter e São Paulo só resta a vitória.

O São Paulo, desde o empate em 1 a 1 contra o Paraná, em 22 de agosto, pela 20ª rodada, luta contra si mesmo para reencontrar o futebol consistente e competitivo desenvolvido no primeiro turno. Não fossem os vacilos e um período de inconstância, não é exagero dizer que o São Paulo poderia estar na liderança.

Mas a situação atual é outra. Quando entrar em campo no Sul, o então regular São Paulo de Aguirre luta para provar em campo que não é um refrigerante de três litros, daqueles que têm muito líquido, mas que, na reta final fica sem gás.

Everton, responsável em colocar pressão no ataque, segue de fora. Aguirre tem a missão de dar uma chacoalhada na equipe. É praticamente certo que Sidão vai para o banco para a entrada de Jean.

O São Paulo entrará em campo com Jean, Bruno Peres, Bruno Alves, Anderson Martins e Reinaldo. No meio, Hudson, Jucilei, Liziero e Nenê. No ataque, Rojas e Diego Souza.

Sem Everton, que formava o trio de ataque ao lado de Diego Souza e Rojas, Aguirre fecha mais o meio campo com Liziero, mais para um 4-4-2 que as antigas formações com dois ponteiros abertos e Diego como centroavante.

Em tempos de futebol reativo, túmulo da bola, resta saber se o São Paulo, precisando da vitória, vai entregar a posse ao Inter ou vai propor o jogo.



MaisRecentes

Nández e o senso de comprometimento no futebol



Continue Lendo

A Xepa do São Paulo em Chapecó



Continue Lendo

Final da Libertadores: partida deveria ser disputada na Argentina



Continue Lendo