Com golaço de voleio de Diego Souza, SPFC fica no empate contra o Sport



Voleio espetacular de Diego Souza garantiu o empate ao também desesperado Sport

Não fosse um Diego Souza no meio do caminho, o São Paulo bem que poderia ter voltado com 3 importante pontos de Recife na partida decisiva contra o Sport, um degrau abaixo na classificação do campeonato. O Tricolor saiu na frente com Thiago Mendes, mas o camisa 87 do Sport fez um golaço de empate.

MUDANÇAS NA FORMAÇÃO TRICOLOR

Diferente em sua formação, Gomes escalou Bruno da direita, colocou Michel Bastos no meio, e formou uma ala esquerda com Matheus Reis e Carlinhos avançado.

Com as mudanças, o estático e pouco criativo São Paulo no meio-campo foi mais criativo e dinâmico. Carlinhos não só chegava ao ataque pela ponta esquerda como, em diversos momentos da partida, deslocava-se para o meio-campo, ora chutando de fora da área, ora buscando alguma jogada com Chavez ou Kelvin. Chavez também não ficou fixo na meia-lua da área. Constantemente saiu da área e foi buscar o jogo, principalmente na ponta esquerda.

O PRIMEIRO TEMPO

O São Paulo começou melhor, buscando a partida.  Logo aos 4/1T, o lateral direito Bruno cruzou, a bola rebate na área entre Carlinhos e Chavez, que aproveitou a sobra, enfiou o pé, rasteiro, porém o goleiro Magrão, no auge dos seus 39 anos, mostrou reflexo de menino e evitou o gol.

O Sport também ameaçou o São Paulo. Aos 17/1T, Rodrigo Caio falhou, a bola passou por cima do zagueiro e sobrou para Diego Souza, que invadiu a área pela ponta direita, bateu cruzado, mas a bola foi interceptada por Maicon, que salvou num carrinho e desviou a bola para escanteio.

A resposta Tricolor veio três minutos depois. Aos 20/1T, Carlinhos recebeu uma bola no meio e, com o pé direito, chutou e ficou assistindo à explosão no travessão.

A boa atuação de Carlinhos entre ponta esquerda e o meio funcionou. Depois de meter um balaço no travessão, Carlinhos entrou pelo meio, tabelou com Chavez, Thiago Mendes surgiu de trás, apareceu na entrada da grande área, recebeu, bateu cruzado no canto esquerdo, abrindo o placar, vencendo Magrão.

Depois do gol do São Paulo, o Sport desorganizou-se, deixou um espaço à frente da sua defesa. O Tricolor criou oportunidades, mas, com um ataque de 28 gols, sendo pior campeonato, só atrás do América-MG (19), não conseguiu aproveitar a desestabilidade dos pernambucanos.

E, como diz, a máxima do futebol…

O GOLAÇO DE EMPATE

O jovem Matheus Reis não conseguiu dominar a bola na lateral esquerda, o que deu início à construção de toda jogada do Sport até o lance do gol. Everton Felipe, do Sport, pegou a bola na linha de fundo, pela direita, bateu para a área, Diego Souza recebeu de joelho, ela subiu e o meia-atacante deu um voleio espetacular, praticamente dentro da pequena área, para estufar as redes do São Paulo.

A SEGUNDA ETAPA

Como o Sport praticamente fazia todas suas jogadas pela direita, Ricardo Gomes, para deixar o setor esquerdo tricolor menos vulnerável, sacou Matheus Reis e colocou Buffarini improvisado. E deu certo.

O lateral argentino não só ajustou a marcação do setor como, formando dupla com Carlinhos, fez boas investidas pela esquerda. Como em duas jogadas semelhantes, entre os 8 e 10 do segundo tempo, quando tabelou com Carlinhos e bateu cruzado, na linha de fundo, buscando o ângulo direito de Magrão.

Aos 17/2T, o Sport que empatava em número de gols, também empatou com o São Paulo em bolas no travessão. A bola estava na esquerda do ataque pernambucano e foi lançada para o meio, clareira deixa pelo São Paulo, o volante Paulo Roberto lançou Rogério que, dentro da área, ajeitou para Apodi vir de trás, enfiar o pé e a bola explodir no travessão de Denis.

Aos 20 minutos da segunda etapa e o Sport crescendo na partida, Gomes sacou Kelvin, que praticamente nada fez e promoveu a estreia de Jean Carlos. A ideia era ocupar mais o meio e que o meia Tricolor interligasse com os atacantes. Não houve grande alteração.

Oswaldo Oliveira também substituiu. Abriu o time. Colocou o atacante Vinícius Araújo no lugar do meio-campista Gabriel Xavier, trocou Rogério pelo também finalizador Edmílson e ousou, tirando Everton Felipe, que fez uma grande partida e colocou o descansado lateral Apodi, na direta, como um ponta. As mudanças de Oliveira promoveram sufoco no São Paulo.

O jogo estava aberto, as duas equipes precisavam e queriam os 3 pontos. Diante de uma nova dinâmica e o time mais exposto, já aos 31/1T, com a impressão de que um ponto já seria bom em Recife, Ricardo Gomes sacou Thiago Mendes e colocou outro volante, João Schmidt.

A partir nos 15 minutos finais, a partida ficou lá e cá, com várias chances para os dois times. Mas, a maior de todas as chances aconteceu aos 43 minutos. O São Paulo perdeu uma bola boba no meio-campo, lançamento por trás de defesa Tricolor, Apodi, voando, recebeu, ajeitou, bateu, mas parou em Denis, que ligeiro já estava no pé do lateral, fechou o ângulo, salvou o pontinho poderoso, considerando o contexto de rebaixamento do Tricolor. Denis, como nas últimas partidas, vem operando milagres.

PRÓXIMAS PARTIDAS

30ª RODADA | 13/10 | São Paulo x Santos, Pacaembu (SP)

31ª RODADA | 17/10 | Fluminense x São Paulo, Edson Passos (RJ)

32ª RODADA | 22/10 | São Paulo x Ponte Preta, Morumbi (SP)



MaisRecentes

SPFC 1 x 1 Palmeiras: dois tempos, dois tentos



Continue Lendo

Futebol brasileiro deixou-se enganar pelo cientificismo exagerado



Continue Lendo

Estádios vazios na Copa América evidenciam o apartheid econômico e social no Brasil



Continue Lendo