Flamengo x São Paulo: quem aplicou a maior goleada?



Às 21h45 de hoje, quando o apito trilar no Maracanã, em partida válida pela 13ª rodada do Brasileirão 2018, Flamengo e São Paulo entrarão em campo para escrever mais um capítulo na histórica rivalidade entre gigantes do eixo Rio-São Paulo.

Na trajetória da bola, no período de 1971 a 2017, Flamengo e São Paulo contabilizam 57 jogos, mas uma partida disputada no estádio Luso-Brasileiro, atual Ilha do Urubu, no dia 15 de novembro, pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro de 2005, tem espaço reservado na memória dos Tricolores Paulistas: um sonoro 6 a 1 Tricolor sobre o Mengo, em pleno estado do Cristo Redentor.

Dois personagens que participaram da goleada Tricolor em 2005 terão a oportunidade de reviver o confronto, porém, agora com mudança de lado: Diego Souza, que à época defendia o Flamengo, e Lugano, atual integrante da comissão técnica do São Paulo.

O Flamengo de 2005, sob o comando do técnico Andrade, foi escalado com Diego, Júnior Baiano, Renato Silva, André, Léo Moura, Jônatas, Renato, Róbson (Marcelo Moscatelli), Diego Souza, Ramírez (Obina), Josafá (Fábio Júnior).

O São Paulo,  de Paulo Autuori, entrou em campo com: Rogério Ceni, Edcarlos, Lugano, Cicinho, Júnior, Leandro Bonfim (Renan Teixeira), Josué, Richarlyson, Mineiro, Christian (Thiago Ribeiro), Amoroso (Souza).

Os gols foram marcados por Edcarlos (2), Mineiro (1), Thiago Ribeiro (1), Amoroso (1) e Souza (1). O tento de consolação do Mengo foi anotado pelo atacante Josafá. Dois jogadores foram expulsos: Júnior (SPFC) e Renato (Flamengo).

Passados 13 anos e cada partida constituindo-se um universo em si, agora o cenário é outro. Líder com 27 pontos, os rubro-negros buscarão a vitória em casa para ampliar a vantagem na ponta. Em contrapartida, o Tricolor do Morumbi, com 23 na tabela, vai lutar pelos três pontos, somar 26 e não se descolar do pelotão que lidera o Brasileiro.

É promessa de jogão pela frente…



MaisRecentes

Pedir a cabeça de Aguirre é solução para o São Paulo?



Continue Lendo

Virada do Inter expõe um SPFC nem reativo, nem criativo, nem competitivo



Continue Lendo

Inter x SPFC: praticamente um mata



Continue Lendo