Eintrach, a bola de vidro e o impronunciável futebol do São Paulo



foto Rubens Chiri

Confesso que treinei e contorci o maxilar para pronunciar “aintrachfranquifurti” (Eintrach Frankfurt), nome do adversário alemão, que derrotou por 2 a 1 o São Paulo na Copa Flórida. Impronunciável também o futebol apresentado pelos brasileiros.

Aprender uma nova língua exige treino. Futebol também. E o São Paulo entrou em campo com a nova gramática de Jardine abaixo dos braços e apenas cinco aulas do professor. Com tão pouco tempo, o São Paulo ainda não falou a que veio em 2019.

+ Acompanhe o Crônicas no Morumbi no Facebook
+ Leia também os blogs do Lance: Gol de Canela | Papo de Boleiro

O São Paulo entrou em campo com Volpi, Bruno Peres, Anderson Martins,  Arboleda e Reinaldo no sistema defensivo. No meio, Hudson, Jucilei e Hernades. À frente, Everton, Pablo e Helinho.

O primeiro tempo foi um grunhido. Faltou diálogo entre os setores. Na defesa, então, uma gaguejada de Bruno Peres originou  o pênalti e primeiro gol do Eintrach. Anderson Martins parecia não se entendia com a bola.

Ainda que seja a sabatina do primeiro capítulo de uma cartilha a ser estudada ao longo de 2019, pouco se viu do São Paulo. Pablo, no ataque, praticamente não relou na bola, o São Paulo construiu poucas frases, poucos diálogos.

Os alemães não demonstram um grande futebol, no entanto, com boa marcação cercaram o São Paulo.

Intervalo.

O São Paulo mudou completamente. Entrou outro time, formado por Jean, Igor Vinícius, Bruno Alves, Lucas Kal, Léo, Willian Farias, Araruna, Liziero, Nenê, Everton Felipe e Diego Souza.

A grande mudança no ritmo do São Paulo se estabeleceu por conta de um jogador, Liziero, que deu mais mobilidade entre o meio-campo e o ataque. Aos 9 minutos do segundo tempo, jogada rápida de Liziero, que roubou a bola, avançou e abriu na esquerda para Diego Souza, que cruzou e Nenê chapou para a rede.

Mas a oportunidade de ver a igual jogar contra os alemães em paridade de placar durou pouco. Aos 18 do segundo tempo, Jovic avançou pela ponta, a defesa tricolor não entendeu o monólogo, o atacante bateu, Jean rebateu, mas a bola tocou em Igor Vinícius, que contramente empurrou para o gol, decretando o placar final.

Com apenas cinco dias de aulas, alunos novos integrando-se à turma, preparação física aquém, muita pode ser ponderado; porém, alguns pontos são capitulares:

Jucilei não proporcionada a dinâmica necessária ao time. Os estatísticos dirão que ele possui um alto percentual de acerto nos passes, mas o fato é que o time fique lento, desconexo e previsível para furar bunkers como os pragmáticos times alemães.

Liziero, que não se sabe se terminará a temporada no São Paulo, altera completamente o eixo criativo da equipe. Ainda que em equipes distintas, Hernanes muito marcado no primeiro tempo, cabe aos valores também a capacidade de articular.

Amistoso ou não, fato é que o São Paulo, com uma jornada, começou o ano com derrota e ainda tem pela frente os holandeses do Ajax, a estreia no Paulista no dia 20 e  o argentino Talleres jogando a vida na Libertadores.

Antes do início da partida, os capitães das equipes se reuniram no centro do gramado para o cerimonial. O comandante do Eintrach entregou uma flâmula e uma bola de vidro a Hernanes. Ao final da partida, mesmo com muitas revelações chegando para a temporada, os torcedores ainda olham para a redoma vítrea na ânsia de enxergar o futuro do São Paulo.

O calendário 2019 do São Paulo é espremido, tal como a tolerância dos tricolores.



MaisRecentes

Estádios vazios na Copa América evidenciam o apartheid econômico e social no Brasil



Continue Lendo

Com mais um vexame, na folhinha do São Paulo, maio já se mostra janeiro



Continue Lendo

Copa do Brasil: o São Paulo em sua luta contra as ruínas circulares



Continue Lendo