CRB 0 x 3 SPFC: Tricolor classificado com apenas 5 minutos de partida



foto: Rubens Chiri

O São Paulo entrou em campo contra o CRB com dois gols de vantagem. Durante a semana, os alagoanos prometeram pressão total para reverter o placar e avançar na Copa do Brasil. Porém, foram necessários apenas cinco minutos de partida para o CRB ir a da euforia à frustração.

Jardine escalou o Tricolor com Jean, Militão, Rodrigo Caio, Anderson Martins e Júnior Tavares. No meio, Jucilei, Petros e Cueva. À frente, Tréllez, Marcos Guilherme e Valdívia.

Depois de uma saída de bola bizarra do zagueirão do CRB, chutando a bola no companheiro de equipe, a bola encontrou Valdívia, que avançou pela esquerda, cruzou, a bola resvalou e sobrou para Marcos Guilherme, longe, fora da grande área bater no canto direito de João Carlos, praticamente decretando a vitória e a classificação para a próxima fase da Copa do Brasil.

Com o gol de Marcos Guilherme, aos 5, os outros 85 minutos tornaram-se mera formalidade, uma vez que o CRB, para reverter, precisaria fazer quatro tentos. Com um time lutador, mas muito limitado, era missão possível apenas para o “Sobrenatural de Almeida”.

+ Acompanhe o Crônicas no Morumbi no Facebook
+ Leia também os blogs do Lance: Gol de Canela | Papo de Boleiro

Com apenas 11 minutos no cronômetro o São Paulo já poderia ter enfiado o segundo gol e colocado um palmo a mais no sonho alagoano. Dentro da pequena área, Tréllez recebeu um passe de Rodrigo Caio, mas o atacante colombiano conseguiu perder um gol feito.

O primeiro tempo seguiu com o São Paulo dominando, com oportunidades de ampliar a placar e, do outro lado, o CRB, que vez ou outra, chegava ao ataque, mais na base de uma vontade combalida que de fato por meio de construções de jogadas.

Nem bem começou o segundo tempo e, logo aos 2 minutos, o São Paulo colocou uma exclamação na vitória, uma vez que o ponto final já havia sido decretado aos 5 minutos do primeiro. Marcos Guilherme abriu para Petros na ponta direita, o volante cruzou, a bola atravessou toda a bagunçada defesa do CRB e ficou na medida para Valdívia colocar para dentro. No agregado, 4 a 0.

O segundo gol, no início do segundo tempo, acabou com o CRB, que era um time transtornado diante de sua torcida. Parecia que os jogadores queriam que esse segundo gol fosse no final da partida, que já havia terminado aos 5 do primeiro tempo. Era sofrimento demais ficar ali jogando, correndo, lutando, suando já com a certeza de que não acabaria em nada.

Para complicar ainda mais a situação, a derrota virou goleadas. Aos 13/2T, Valdívia cobrou escanteio, Rodrigo Caio – que fez excelente partida – subiu e colocou a bola pra dentro. 3 a 0 que fez a torcida alagoana ir embora mais cedo para casa.

Com sobras no placar, no agregado e no futebol praticado, depois do terceiro gol Jardine ainda fez alguns testes: tirou Júnior Tavares e colocou o muito bom garoto da base Liziero, que atuou de lateral esquerdo, mas é jogador versátil que pode atuar pelo meio. Depois sacou Tréllez, que desperdiçou gols inacreditáveis, para a entrada de Brenner e; por fim, tirou o volante Petros, outro que teve boa atuação, movimentando-se mais, jogando mais e reclamando menos, para dar lugar à Lucas Fernandes, deixando o time com apenas Jucilei.

Os minutos finais para foram protocolares para cumprir a regra do tempo regulamentar de dois tempos de 45 minutos.

Valdívia, mais uma vez, jogou muita bola. Muito além do gol, deu movimentação à equipe, a dinâmica que antes faltava ao time, que antes ficava tocando a bola infinitamente entre a defesa e o meio-campo em um movimento que partida do nada e chegava a lugar algum. Cueva teve espaço, mas ficou longe de uma boa apresentação.

O São Paulo melhorou, é fato, mas também o é que o adversário era muito fraco. Melhorou, mas ainda apresenta falhas, mas melhorou. Agora Jardine deixa o comando para ser auxiliar.

Aguirre receberá uma equipe com uma nova proposta e terá um grande desafio além de manter e ampliar o nível das atuações, terá que se deparar com o quebra-cabeças para encaixar Nene e Diego Souza de alguma forma. Haja mate para esfriar a cabeça.



MaisRecentes

Em jogo horroroso, Santos e São Paulo empatam na Vila



Continue Lendo

No sprint final do Brasileirão, São Paulo testa sua força contra o Santos



Continue Lendo

Atlético-MG 1 x 0 SPFC: independência perdida



Continue Lendo