Conselheiros cobram e São Paulo convoca reunião para esclarecimentos



convoca_arte1

convocacao_spfcEm julho, 60 conselheiros encaminharam requerimento ao Conselho Deliberativo do São Paulo cobrando explicações sobre nove pontos que consideram obscuros.

O estatuto do clube determina que, mediante um mínimo de 50 assinaturas de conselheiros, o São Paulo tem de convocar uma reunião do Conselho Deliberativo para esclarecer os pontos questionados.

Frente a 60 assinaturas, o Conselho Deliberativo do São Paulo emitiu, hoje (11), a convocação oficial, agendada para 21 de agosto, às 19 horas, nas dependências do Morumbi, para que os temas sejam esclarecidos.

Segundo o conselheiro Newton Ferreira, “nossa expectativa é que todos os questionamentos sejam esclarecidos e o SPFC passe a ter mais transparência e competência, afinal, o lema do Leco na campanha foi “SPFC de VERDADE”, que assim seja”, declarou.

Confira, abaixo, na íntegra, o requerimento encaminhado pelos conselheiros, com os pontos a serem esclarecidos e a convocação oficial da reunião (imagem)

***

ILMO. SR. PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO DO SÃO PAULO FUTEBOL CLUBE

Os Conselheiros no final nomeados e assinados vêm, respeitosamente, à presença de V. Sa. requerer, com base no art. 63, alínea “b”, do Estatuto Social, CONVOCAÇÃO DE REUNIÃO DESSE CONSELHO DELIBERATIVO em até 30 (trinta) dias, contados do recebimento deste, indicando como matéria a ser deliberada esclarecimentos do Presidente da Diretoria Eleita e do Conselho de Administração sobre as questões a seguir enumeradas, com seus respectivos fundamentos estatutários:

  1. Por que não foi exposto na Reunião Ordinária realizada em 26 de junho do corrente os contratos celebrados nos dois meses anteriores, descrevendo seu objeto, valor e prazo, como determina o art. 62, alínea “c”, que não exclui, sequer, os contratos relacionados às contratações de atletas e comissão técnica, visto que não se trata da aprovação prévia prevista no art. 58, alínea “u”?
  1. Como foi comprovado o notório conhecimento nas áreas que sejam relevantes para o SPFC ou a prévia atuação como diretor ou conselheiro de sociedade empresária de porte no mínimo semelhante das pessoas indicadas para a função de Conselheiro Independente do Conselho de Administração, como prescreve o art. 101?
  1. Qual foi, se e quando o caso e com que critérios, a remuneração aprovada pelo Conselho de Administração, no exercício da competência a ele atribuída pelo art. 106, alínea “b”, para os membros do Conselho Fiscal, do próprio Conselho de Administração, do Presidente Eleito e/ou da Diretoria Executiva?
  1. Foi aprovado e contratado o seguro autorizado pelo art. 106, alínea “p”, para o exercício dos cargos de Diretoria Eleita, Conselho de Administração e Conselho Fiscal, e, nesta hipótese, com que coberturas?
  1. É fato que os Conselheiros de Administração firmaram Termos de Confidencialidade e, nesta hipótese, por quais razões e com que alcances, considerando que o exercício de sua competência fiscalizadora da gestão da Diretoria Eleita, da Diretoria Social e da Diretoria Executiva, prevista no art. 106, alínea “a”, precede a tomada de conhecimento das atividades administrativas do SPFC expostas pelo Presidente Eleito ao Conselho Deliberativo, prevista no já citado art. 62, alínea “c”?
  1. Como foi comprovado o notório conhecimento em suas respectivas área de atuação dos profissionais contratados como Diretores Executivos, como manda o art. 124, em especial, o de Futebol, e quais foram as atribuições e remunerações, de todos eles, aprovadas pelo Conselho de Administração, no exercício da competência atribuída pelo art. 106, alínea “r”?
  1. Por quais razões um grande número de jogadores vem manifestando insatisfação e desejo de saírem do SPFC, qual é o balanço econômico-financeiro das dezenas de vendas e compras ocorridas neste exercício de 2017 e como seu resultado altamente positivo será utilizado para amortização da dívida do SPFC e para melhora de desempenho do time?
  1. Por quais razões na reunião ordinária do Conselho Deliberativo de 26 de junho último o Diretor Executivo de Futebol assegurou a manutenção de Rogério Ceni como técnico, não respondeu à questão sobre a multa rescisória em sue contrato, confirmada no dia seguinte à imprensa pelo Presidente da Diretoria Eleito, e ele foi dispensado apenas uma semana depois?
  1. Por quais razões houve concordância com a multa contratual rescisória do Rogério Ceni ser de R$ 5 milhões, se dispensado pelo clube com desempenho superior a 47%, posto que seu primeiro trabalho como técnico, e tal dispensa ocorreu quando seu desempenho estava, ao que consta, apenas 2% acima do índice isento da multa em questão?

São estas, Senhor Presidente, as questões sobre as quais os Conselheiros requerentes aguardam esclarecimentos do Presidente da Diretoria Eleito na reunião do Conselho Deliberativo a ser convocada, certos de que versam matérias de interesse de todos os seus integrantes, dos associados a quem devem prestar contas e de toda a comunidade são-paulina.

Termos em que,

Pede e espera deferimento.

São Paulo, 06 de julho de 2017

Conselheiros:

Gilberto Pompeu de Toledo

Kalil Rocha Abdalla.

Benedito Souza

Newton Luiz Ferreira

Giacomo Albanese

Joandre Ferraz

Paulo Sabino

Sidney Costa Gonçalves

Itagiba Francez

Erovan Tadeu Carmo

Pedro Miguel Mauad

Pedro Baggio

Antonio Garcia

Davi Lisboa

Roberto A Kirschner

Denis Ormrod

Paulo Saes

Clovis Botelho

Odair Busoli

Ricardo Haddad

Antonio Donizete Gonçalves Dedé

João Alves Veiga

Kalef João Francisco

José Aparecido de Souza

Newton Flavio Bittencourt

Lucio Chefe Fernando

José Maurício P. Schwartzmann

Douglas Schwartzmann



MaisRecentes

Rubens Minelli: “O futebol brasileiro precisa muito de valores individuais”



Continue Lendo

Em domingo mágico, São Paulo vence o Cruzeiro com pênalti mandrake



Continue Lendo

São Paulo terá que se reinventar no segundo turno para não ser rebaixado



Continue Lendo