Chão de estrelas tricolor



fotomontagem: Jaime Alves

fotomontagem: Jaime Alves

Depois de duas derrotas consecutivas, no quintal de sua casa, o São Paulo está em Minas para enfrentar as estrelas do Cruzeiro, pela segunda e decisiva partida da Copa do Brasil. O Tricolor já entrará em campo perdendo por 2 a 0 e a grande questão que paira no céu é: terá forças e, sobretudo, futebol o São Paulo para reverter a situação?

O que mais chamou a atenção nas derrotas por 2 a 0 para Cruzeiro e Corinthians estabeleceu-se pela repetição dos erros. O São Paulo partiu para cima, teve o controle da bola, mas, em ambos os casos, não conseguiu marcar.

Foi muito barulho por nada. A bola girou, girou, girou, não faltou disposição, mas a bola não entrou. Não só não entrou como foram poucas às vezes em que o São Paulo chegou com perigo real aos gols dos adversário, que jogaram fechados, à espreita de um bote, para o contra-ataque ou em em busca de uma jogada de lance parado. E foi o que aconteceu.

Simplificando toda a numeralha que em muitos momentos se reveste o futebol, fato é que o meio-campo não consegue criar, o ataque não faz gol e o sistema de marcação voltou a falhar repetidamente.

Na cabeçada livre de Hudson, segundo gol do Cruzeiro, e contra o Corinthians, no lance do primeiro gol, a linha dos zagueiros rompeu-se e deu espaço para Jô. No segundo gol, o alvinegro trocou passes ad infinitum até que a bola chegasse aos pés de Rodriguinho, que passou por Jucilei, balançou para cima de Maicon, bateu de longe, muito longe e fez no canto direito.

Verticaliza-se a forte impressão de que os adversários assimilaram o esquema de Ceni-Beale. Quando os adversários se propõem a esperar o Tricolor, entregam a posse de bola à equipe do São Paulo que, senhor da posse, mas não do jogo, não se altera em outra alternativa tática para mudar a dinâmica no sentido de encontrar o caminho do gol.

Hoje à noite, às 19h30, no famigerado Mineirão, o São Paulo entrará em campo não apenas para tentar placar e avançar na inédita Copa do Brasil em sua galeria de troféus, mas também para salvar o semestre e começar a construir um chão, um caminho.

Se não passar pela Raposa e o Timão, só restará ouvir o chão de estrelas  nos alto-falantes do Mineirão, onde um dia “minha vida era um palco iluminado / Eu vivia vestido de dourado (…)



MaisRecentes

Empate dá adeus ao São Paulo no Paulista



Continue Lendo

São Paulo joga muito, vence, mas Cruzeiro segue na Copa do Brasil



Continue Lendo

Reencenação dos erros



Continue Lendo