Técnico de 24 anos quebra paradigmas e tenta administrar pressão de jovens para decisão



Um dos grupos da terceira fase do Campeonato Paulista sub-15 está bem embolado. Diferentemente das outras chaves, já praticamente definidas, nesta os quatro times disputam duas vagas na última rodada, que ocorre neste fim de semana. Desportivo Brasil, com oito pontos, Santos, com sete, Penapolense, com os mesmos sete, e Audax, com seis, ainda podem chegar às quartas de final do torneio. A pressão sobre os garotos neste momento decisivo é forte, mas alguns profissionais têm a missão de aliviar e tirar o peso das costas. É o caso de Lucas Macorin.

Jovem treinador comanda elenco do Audax (Foto: Gabriela Montesano/Divulgação)

Jovem treinador comanda elenco do Audax nas decisões do Paulistão de 2015 (Foto: Gabriela Montesano/Divulgação)

– É sempre complicado, porque tanto o adulto quanto os mais jovens vão sentir uma certa pressão. Isso não deveria existir muito na base, que é um processo de formação, mas é necessário desde cedo lidar com as situações. A única pressão é de jogar bem, fazer o que é pedido, mostrar fundamentos e evoluir. Enquanto isso, nosso trabalho é deixar eles mais calmos, cobrando, mas dando liberdade para produzirem, verem os erros e melhorarem – diz o treinador do sub-15 do Osasco Audax, ao blog.

Lucas Macorin chama atenção não só pelos números do Audax no Paulistão sub-20 (14 vitórias, cinco empates e seis derrotas, com 43 gols marcados e 15 sofridos na campanha). O treinador da equipe da Grande São Paulo tem apenas 24 anos, é recém-saído da faculdade de Educação Física e ainda dá seus primeiros passos no futebol nacional. No comando dos meninos do Audax, o profissional tenta escrever sua história com uma idade em que a maioria dos amigos ainda nem decidiu o que fazer da vida.

– Isso é engraçado mesmo. Porque muita gente decide o que fazer e depois muda. É muito jovem para decidir uma profissão. Mas o que me ajudou foi gostar muito de futebol e me inserir no meio de forma rápida. Mas não pense que é fácil, não. Como em qualquer profissão, o jovem sofre preconceito – diz Lucas Macorin, antes de completar o raciocínio:

– Hoje eu estou em um lugar muito acima do que imaginaria poder estar. É uma função muito cobrada e exigida, porque a cultura é ter no comando pessoas que já tenham vivenciado muito do futebol. A questão é que a capacidade não vem com a idade, vem com os aprendizados da vida. Você pode ter 50 anos e não ter aprendido o que outra aprendeu em dez com uma experiência. Então a gente tenta quebrar esses paradigmas. Os gestores já colocam muito a culpa nos treinadores, imagine quando se é novo ou sem nome… Mas tem que estar preparado e encarar.

15

Lucas Macorin tentou jogar futebol até os 17 anos, quando uma lesão interrompeu o sonho. Ali, decidiu ingressar na faculdade de Educação Física e viu as portas se abrirem logo cedo. Com três meses de faculdade, Lucas começou a trabalhar na categoria sub-17 do time feminino do Centro Olímpico, em São Paulo. De auxiliar, Lucas virou técnico do sub-17, e depois ainda teve a oportunidade de comandar a recém-criada categoria sub-20, que de cara conquistou um título regional e lhe deu visibilidade.

Foi aí, no finzinho de 2013, que o jovem treinador parou no Grêmio Osasco Audax, já trabalhando com os garotos e não mais as meninas. Após dois meses no sub-14, se tornou auxiliar técnico dos juniores e nesta condição participou da Copa São Paulo do ano passado. Permaneceu mais um ano e nesta temporada assumiu o comando do sub-15, logo após a Copinha. Neste intervalo, até quebrou galho comandando três dias de treinos do time profissional entre a saída de Vinicius Munhoz e a chegada de Ricardo Drubscky. Diante de alguns jogadores até mais velhos que ele, Lucas não fez feio.

– A faixa etária nunca pode ser um problema.

O Audax e seu jovem treinador jogam sábado, às 9h, contra o Desportivo Brasil, em Porto Feliz. No outro jogo da chave, o Santos recebe o Penapolense no CT Rei Pelé no mesmo horário. Tudo pode acontecer.



  • Renato Moraes da Silva

    E aconteceu, Despotivo Brasil 2 x 3 Audax, classificado para as quartas de finais

MaisRecentes

‘Carrego o sonho da família’: a história de uma promessa, suas dores e seu destino



Continue Lendo

Disputa quádrupla pela artilharia agita final da Taça BH sub-17 nesta quinta-feira



Continue Lendo

Brenner sobra no sub-17 do São Paulo. E agora, seguir a cartilha ou correr riscos?



Continue Lendo