Stoichkov, Ortega ou Pogba? Promessa de Pernambuco reúne os três em um só



Até onde pode chegar a paixão pelo futebol? Para o casal Célia Cristina e Orlando Afonso, esta pergunta não deve ter uma resposta certa. Tanto é que eles batizaram seus quatro filhos com os seguintes nomes: Stoitchkov Ortega, Savicevic Ortega, Ayala e Aimar Tévez. Juntos, em uma só família, a maior referência do futebol da Bulgária quarta colocada na Copa do Mundo de 1994, o melhor jogador da Libertadores de 1996, o “show man” iuguslavo do Milan dos anos 90, o zagueiro de três Copas pela Argentina, o meia ídolo do Benfica e o argentino que já brilhou até no Brasil e hoje é a maior referência do futebol sul-americano. Pouca coisa, né?

Para melhorar a história, Stoitchkov Ortega Silva de Melo, nascido em maio de 1997, virou jogador de futebol. Do jeito que o pai sempre quis.

stoi

– Desde pequeno sempre gostei de futebol, meu pai era goleiro e me levava para o campo – explica o garoto que disputou o Campeonato Pernambucano e a Copa do Brasil sub-20 com a camisa do tradicional Santa Cruz.

Curiosidade: Stoitchkov Ortega não é meia e nem atacante. Apesar do nome, ele joga de volante, mas também quebra um galho como zagueiro e lateral. É destro, mas atuou improvisado até na esquerda por confiança do técnico Adelmo Soares. Na Copa do Brasil sub-20 da qual o Santa Cruz foi eliminado logo na primeira fase, Stoitchkov jogou com a camisa 3. Por mais irônico que isso possa parecer…

Nos últimos anos, a promessa do futebol pernambucano ainda ganhou mais um modo para ser chamado: Pogba. O apelido veio dos colegas de clube em razão da semelhança física com o meio-campista francês que hoje defende a Juventus. E não é que o Stoitchkov Ortega também virou Pogba…

– Conheço o Stoichkov e o Ortega de vídeos na internet, televisão, só isso. Agora o Pogba é um cara em quem eu me inspiro, porque joga na minha posição. Me inspiro também em Luiz Gustavo, da Seleção, em Wellington Cézar (Santa Cruz)… Mas é claro que ainda estou distante desses caras, meu objetivo hoje é de profissionalizar, chegar bem, e lá na frente ver o que acontece – diz o jovem de 18 anos.

Após treinar no futsal do Sport quando moleque, Stoitchkov Ortega já defendeu as cores de Náutico, América e Santa Cruz na base. O próximo destino? Talvez Barcelona, River Plate, Juventus…

stoi2



MaisRecentes

Como intercâmbios esportivos viraram alternativas viáveis para jovens jogadores



Continue Lendo

São Paulo assina primeiro contrato profissional com destaque da equipe sub-17



Continue Lendo

Do sonho no futebol ao ‘Jah é gol’: futebol e música na trajetória de Fernandinho



Continue Lendo