Nocaute de gols: na base do Cruzeiro, Popó mostra faro artilheiro e cria metas no ano



Tetracampeão mundial em duas categorias diferentes do boxe e dono do recorde de nocautes conquistados até um de seus títulos mundiais, Acelino Popó Freitas é um dos maiores nomes da história do esporte no Brasil. Quanto a isso, não resta discussão. Anos depois do pugilista pendurar as luvas, outro esportista que carrega o mesmo apelido inicia sua caminhada, mas desta vez no futebol. Aos 16 anos, Vinicius Santana da Silva, o Popó, é um dos jogadores em quem o Cruzeiro mais deposita expectativas em suas categorias de base.

– Quando eu tinha três anos meu pai colocou esse apelido, porque eu era bem fortinho para uma criança e na época (2004) o Popó era muito famoso. Era apelido de infância, mas quando entrei no futebol quis manter, porque gostei e pegou rápido, todo mundo passou a me conhecer por ser um nome diferente. Tomara que eu consiga ter uma história bonita como a dele também – diz a promessa do futebol mineiro.

Popó disputou uma partida pelo Mineiro sub-17 no ano passado, aos 15 anos (Foto: Vinnícius Silva/Sport Agency)

Popó disputou uma partida pelo Mineiro sub-17 em 2016, aos 15 (Foto: Vinnícius Silva)

Nascido em São José do Rio Preto, no interior de São Paulo, Popó se destacou nos campeonatos de base do futebol paulista e foi captado pelo departamento de formação do Cruzeiro em 2014. O menino havia passado por avaliações no São Paulo e no Fluminense anteriormente, mas optou pelo projeto da equipe de Minas Gerais. Os números provam que ele não estava errado…

Em 2015, nas categorias sub-14, sub-15 e sub-16, o atacante marcou 33 gols em 39 jogos. No ano seguinte, por sub-15, sub-16 e até sub-17, foram incríveis 39 gols em 27 partidas, sendo que o nível das disputas aumentou: foram 22 gols no Campeonato Mineiro e cinco na Copa Votorantim (uma espécie de Copa do Brasil da categoria infantil), por exemplo. Bem avaliado internamente, Popó revela ao blog que tem uma meta mais ousada para 2017. Apesar de conhecer as dificuldades da nova categoria, o atacante cruzeirense deseja atingir a marca de 40 gols no ano. Um nocaute de gols.

– Cada vez que você sobe de categoria fica um pouco mais difícil, mas tenho que ser sempre melhor, mostrando mais e fazendo mais gols. Esse ano é meu primeiro de juvenil, mas quero me estabelecer e tenho essa meta de 40 gols que criei com um técnico meu. Estou bastante focado e quero provar que posso ser útil – diz Popó, que não tem jabs ou cruzados como as principais características.

– Meu ponto forte é dentro da área. Fazendo gols – brinca.

Popó já tem convocações para a base da Seleção Brasileira, mas ainda não possui contrato profissional com o Cruzeiro. Neste ano, o jogador de 16 anos ganhou importantes “reforços” em casa: a mãe, Cristina, e o pai, Geceonei, deixaram a vida no interior de São Paulo para se dedicarem integralmente aos cuidados do jovem jogador. A chance da promessa não “ir pra lona” é cada vez maior.

Atacante ainda não foi convocado para a Seleção sub-17 nesta temporada (Foto: Vinnícius Silva/Sport Agency)

Atacante ainda não esteve na Seleção sub-17 neste ano (Foto: Vinnícius Silva/Sport Agency)



MaisRecentes

Primeiro contrato, treinos no profissional e… gols, claro: a semana de John Kléber



Continue Lendo

Goleiro que é destaque na base em São Paulo teve carreira salva por ‘pai-cobra’



Continue Lendo

Como intercâmbios esportivos viraram alternativas viáveis para jovens jogadores



Continue Lendo