Goleiro que é destaque na base em São Paulo teve carreira salva por ‘pai-cobra’



Aos 17 anos, Léo Solano é titular do Guarani no Campeonato Paulista sub-17 (Foto: Israel Oliveira)

Aos 17 anos, Léo Solano é titular do Guarani no Paulista sub-17 (Foto: Israel Oliveira)

Vice-líder do Grupo 7 do Campeonato Paulista sub-17 após 12 rodadas, o Guarani tem a defesa como um de seus pontos fortes. O goleiro Léo Solano, que atuou em todos os jogos até o momento, personifica a boa fase: ele já não sofre gols há três partidas seguidas e é parte importante do crescimento do Bugre na competição – a distância para o líder Corinthians é de apenas cinco pontos no momento.

Paulista da cidade de Ribeirão Preto, o jogador nascido em 2000 está em sua primeira temporada pelo Guarani e já chama atenção do mercado. No início do ano, ele foi o segundo goleiro menos vazado da Copa Ouro e segue monitorado pelos grandes clubes do Estado. Um deles é o Palmeiras, onde Léo Solano já atuou por um ano nas categorias menores.

Com experiência em Copa São Paulo de Juniores e passagem também pelo Paulista de Jundiaí, o jovem goleiro tem contrato de formação com o Guarani válido até 2019 e carreira promissora, segundo observadores e analistas. A questão é que nada disso aconteceria não fosse a influência de Edimilson Penteado, também conhecido como pai de Léo Solano. Ou “goleiro-cobra”, se preferir.

2

Sem desânimo, gordinho!

O começo de Léo no futebol foi numa escolinha da cidade de Sertãozinho, distante 20 km de Ribeirão Preto. De treinos em treinos, se fixou como zagueiro e permaneceu assim por um bom tempo. Até que a falta de um goleiro num joguinho do time da escolinha mudou a história.

– O bichão era meio fortinho, meio gordinho, não gostava muito de correr, não. Aí certa vez faltou o menino que era goleiro no jogo, ele foi para o gol e gostou. Ele sempre foi alto também, então isso ajudou. Foi onde começou nossa história – conta o pai.

Com boas atuações, Léo Solano foi crescendo, emagrecendo e tomando gosto pela posição de goleiro. Quando o filho resolveu que queria tentar a carreira naquilo, Edimilson buscou treinamentos específicos para jogadores do setor, já que as escolinhas não davam tanta base. O menino teve diversos treinadores de goleiro, em especial Aguinaldo, que jogou profissionalmente pelo Sertãozinho. A partir de então, deslanchou. Mas não fosse pelo pai…

– Quando ele estava treinando com o Aguinaldo tinha mais meninos junto. Eram treinos específicos, mas era uma turma. Aí saiu um, saiu outro, a aula estava ficando vazia, vazia. Eu não queria deixar o Léo desanimar ou querer parar de treinar também, então disse para ele que iria treinar junto. Foi o jeito que eu dei. Então fui na loja de esportes, comprei roupa e passei a ir aos treinos. Tinha sido goleiro quando era criança, então fui junto para ele se sentir mais empolgado – relembra Edimilson, que ganhou do próprio filho o apelido de “goleiro-cobra”.

– Eu tinha hérnia, 100 kg, mas entrei na onda, mesmo com dor aqui, com dor ali. Fomos batalhando. Ele treinando, crescendo, e eu me quebrando por causa do peso e da falta de agilidade. Eu conseguia fazer a maioria dos exercícios, mas tinha alguns que não, e aí ele tirava sarro, falava que eu era o goleiro-cobra. Sabe o que é isso? É que em vez de pular eu me arrastava (risos). Vê se pode!

Brincadeiras à parte, Léo Solano saiu das aulinhas específicas com o pai para novos desafios. E grandes.

A hora da verdade

Por meio de um anúncio na internet, Edimílson descobriu a abertura de peneiras nas categorias de base do Palmeiras, seu clube de coração. Ele inscreveu Léo na seleção mesmo sem acreditar muito no sucesso da empreitada e foi a São Paulo de ônibus tentar a sorte. Surpreendentemente, deu certo. Aos 13 anos, o jovem goleiro passou uma temporada inteira treinando regularmente nas divisões de base do Verdão. Como morava longe e alojamento é proibido nesta idade, Léo Solano vinha a São Paulo uma semana sim e outra não, porque assim podia manter o monitoramento no Palmeiras e também os estudos no interior.

É desta época uma das memórias mais curiosas, digamos assim, da dupla.

1

– Na semana em que ele vinha treinar nós ficávamos num hotel, mas era caro. Aí um dia conversei com o pessoal de um motel ali na entrada de Guarulhos, perto do CT, expliquei a situação e permitiram que a gente pegasse um quarto. Passamos uns apuros lá… era eu e o menino tentando focar nos treinos, na carreira dele, e no quarto do lado o casal trabalhando lá… Complicado (risos). Teve um dia que o barulho estava tão alto que pedi para ficar num quarto mais longe, mas aí o Léo perdeu a conexão do Wi-Fi, porque o sinal era bom só perto de onde acontecia os crimes, rapaz. Foi um tempo estranho – se diverte Edimílson, anos depois.

Em 2015, antes da reapresentação para a temporada, Léo Solano recebeu uma das piores notícias da vida, que foi a dispensa do Palmeiras por conta de uma série de lesões e a falta de sequência de jogos. Ele não ficou muito tempo parado, logo fechou com o Paulista de Jundiaí após alguns testes. Disputou o Campeonato Paulista sub-15 daquele ano, esteve em uma competição internacional, jogou o Paulista sub-17 e até a Copa São Paulo de Juniores no ano seguinte, aos 16.

Uma mudança na diretoria do Paulista, porém, interrompeu a trajetória do jovem goleiro, que seguiu em busca de novos rumos. Foram duas semanas de avaliação no Corinthians, três no Palmeiras, mas nenhum vínculo. Até que surgiu o Guarani.

33197640265_3e5ce6b641_z

Avante, avante meu Bugre

Depois de quase dois meses sem clube, mas treinando regularmente em sua cidade, Léo Solano participou de uma peneira em Ribeirão Preto e foi bem avaliado por observadores ligados ao Grêmio. A diretoria não teve interesse por já possuir jogadores da posição na idade, mas as portas estão abertas até hoje. Foi Guido, ex-jogador do São Paulo, o responsável pela indicação do jovem goleiro à diretoria do Guarani. Depois de alguns testes, a aprovação, a assinatura do contrato, a disputa da Copa Ouro e agora o destaque no Paulistão sub-17 e até treinos nas categorias maiores.

Ah, acho que a hérnia do Seu Edimílson vai bem também. Pelo menos ele não reclamou.



MaisRecentes

Conheça os quatro pilares do trabalho do Internacional em suas categorias de base



Continue Lendo

Titular da Seleção na base, promessa do Corinthians vive cartilha de ‘novo Pedrinho’



Continue Lendo

Entre os melhores times sub-20 de SP, Água Santa tem camisa 10 que é destaque aos 16



Continue Lendo