Inspirado e orientado pelo irmão Adriano, Jackson ‘Pagodinho’ chama atenção no Campeonato Paulista sub-17: ‘Marcador forte’



Jackson Vinicius dos Santos atuou em 12 jogos do Campeonato Paulista sub-17 até o momento, e acumula números bem positivos: com ele em campo, o Grêmio Novorizontino venceu dez vezes, empatou uma e foi derrotado uma única vez. Além disso, marcou 34 gols e sofreu apenas nove nas partidas em que seu camisa 5 foi acionado. Não à toa, as marcas credenciaram a equipe ao primeiro lugar isolado do Grupo 2 do principal torneio juvenil de São Paulo – só Palmeiras, Corinthians e Ferroviária somaram mais pontos entre os 66 clubes da primeira fase.

Primeiro volante da competente equipe de Novo Horizonte, Jackson tem sido um dos destaques da campanha até o momento. Aos 16 anos, o garoto está no clube apenas desde fevereiro de 2016, quando foi trazido para testes por alguém bem conhecido no cenário nacional do futebol e que, por coincidência, é seu irmão.

1

Revelação das categorias de base do Santos, campeão da Libertadores de 2011 como titular, e ex-jogador de outros clubes importantes, como Grêmio e Vitória, Adriano disputou o Campeonato Paulista deste ano pelo Novorizontino, e trouxe “na mala” o irmão mais novo, Jackson. E se o Adriano atende pelo apelido de “Pagode”, o irmão virou “Pagodinho”.

– O pessoal me chama de Pagodinho mesmo, mas está tudo bem, eu deixo. Pode ser. Gosto de pagode, samba, sertanejo, então não tem problema – brinca Jackson.

O garoto iniciou a trajetória no esporte jogando futsal pelo Santos, com o irmão mais velho levando e buscando do ginásio da Vila Belmiro. Foram sete anos no clube até Adriano arrumar o teste no Novorizontino. Bem recebido pelo restante da garotada, Jackson não demorou a se adaptar ao futebol de campo. Irmão coruja, Adriano Pagode falou ao blog sobre os sonhos do caçula.

10_07_2016_19_02_45

– O Jackson é muito dedicado. Desde que chegou ao Novorizontino, no início deste ano, ele perdeu oito quilos e, hoje é um dos destaques do time não apenas na parte técnica, mas também como um dos líderes. E ainda é o cobrador oficial de pênaltis do time – elogia Adriano.

Jackson se inspira em Adriano de maneira plena. Além do irmão mais velho já ter vivido de tudo no futebol – títulos, glórias, reconhecimento, ostracismo, lesões, voltas por cima, etc, etc -, o caçula da família Santos ainda joga na mesma posição do irmão mais velho.

– Eu sou primeiro volante, igual o Adriano. Sou um marcador forte, mas saio para o jogo também. Ele é uma inspiração, porque além de ser meu irmão é um grande jogador. Sem contar que o nome dele é sempre bem falado, porque ele é um ótimo atleta, comportado, sempe dando o máximo nos clubes. Eu tento sugar o máximo de informação dele e guardo na mente para praticar. É uma referência, né? – diz o garoto.

Adriano não exerce qualquer pressão para o garoto se profissionalizar no futebol. Segundo ele, o apoio é irrestrito, mas a decisão de levar o esporte profissional adiante será unicamente de Jackson. Nos últimos meses a proximidade entre os irmãos tem sido significativa: Adriano está sem clube, e vive em Novo Horizonte mantendo a forma à espera dos próximos desafios. Jackson mora no alojamento do Novorizontino, e a distância para a casa do irmão é de apenas três quadras.
2

– Vou lá quase todo dia, ter um contato mais próximo. Por isso é que estou conseguindo me adaptar tão rápido, porque estou perto de algumas das pessoas que amo, enquanto outros garotos sofrem com a distância maior – reconhece Jackson, que na infância gostava muito de bater papo e bola com Arouca, companheiro de concentração do irmão Adriano.

O Adriano Pagode ainda está longe de pendurar as chuteiras, mas o Jackson Pagodinho já vem chegando por aí. O show tem que continuar, não é mesmo?



MaisRecentes

Conheça os quatro pilares do trabalho do Internacional em suas categorias de base



Continue Lendo

Titular da Seleção na base, promessa do Corinthians vive cartilha de ‘novo Pedrinho’



Continue Lendo

Entre os melhores times sub-20 de SP, Água Santa tem camisa 10 que é destaque aos 16



Continue Lendo