Por que o Capivariano tem sido o melhor time sub-20 em São Paulo?



Pode esquecer Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo. Nem pense em Ponte Preta, São Caetano ou Red Bull também. O melhor time da primeira fase do Campeonato Paulista sub-20 de 2016 (e com folga!) foi o Capivariano. Só pra situar: o time de Capivari, cidade a uns 150 km da capital paulista, somou 56 pontos nos 22 jogos da fase classificatória para o mata-mata. Foram 18 vitórias e apenas dois empates e duas derrotas, com incrível aproveitamento de 85% dos pontos disputados. Impressionante, né?

O melhorzinho dos quatro grandes na primeira fase do Paulistão sub-20 foi o São Paulo, que se classificou para o mata-mata com 45 pontos somados. O Corinthians avançou com 43, o Palmeiras com 42 e o Santos com apenas 40 pontos – o segundo pior rendimento entre os classificados foi dos Meninos da Vila, aliás.

Mas o que explica o Capivariano ter a melhor campanha entre todos os 16 classificados?

1

– Acredito que é pelo fato de termos muitos jogadores de qualidade. Escolhemos bem nosso grupo, que acredita na nossa maneira de jogar. Também por estar em apenas uma competição, se dedicar só ao Paulistão sub-20. O Capivariano está totalmente focado nessa competição, as equipes grandes acabam jogando outros torneios também. Então é o bom encaixe das peças e a dedicação total à competição. Sempre queremos ganhar, não saímos para empatar. Temos 18 vitórias, com várias fora de casa, sempre estudando cada adversário e a estrutura que o clube nos deu, onde estava apenas nossa equipe treinando – enumera Élio Sizenando, técnico do Capivariano sub-20.

O próprio treinador já tem experiência no futebol paulista. Passou pelo Paulínia, onde ajudou a formar o lateral-direito Fabinho (hoje no Monaco, da França), Gabriel (do Palmeiras) e Jefferson (do Figueirense), entre outros. Ainda esteve no Novorizontino, no Mirassol e na Ponte Preta até chegar ao Capivariano, em abril deste ano.

14606460_1321095374582075_824233060983729423_n

Os meninos que jogam também não são novatos, digamos assim. Um dos pilares do projeto do Capivariano sub-20 é apostar em jogadores dispensados da base de clubes maiores, como São Paulo, Grêmio, Atlético-MG, Ponte Preta… São poucos os garotos de fato formados no Capivariano, desde o sub-17 e sub-15. O próprio Élio admite a filosofia de trabalho de confiar na “experiência”. Ou melhor, em captar atletas dispensados de clubes grandes.

– Muitos vieram de clubes grandes, sim, e com defeitos que precisavam ser corrigidos. Tenho feito o trabalho de corrigir esses defeitos no último estágio deles antes do profissional, explicando porque eles saíram do São Paulo, do Grêmio e tal. Eles estão se dedicando a isso, querem aprender e por isso está dando certo – explica o comandante.

Depois da impressionante campanha da primeira fase, Capivariano agora tem o mata-mata pela frente. O adversário será o Velo Clube, que recebe o primeiro jogo neste sábado, às 10h, no estádio Benito Agnello Castelano, em Rio Claro. O duelo decisivo será no sábado seguinte, 16h, na Arena Capivari.

Só não vale morrer na praia.

Anderson (E) e Élio Sizenando, auxiliar e treinador do Capivariano sub-20 (Foto: Divulgação/Capivariano)

Anderson (E) e Élio Sizenando, auxiliar e treinador do Capivariano sub-20 (Foto: Divulgação/Capivariano)



  • Fabian Alex Bragion

    time da cidade da minha familia… vai, leão! arrebenta tudo!

MaisRecentes

O blog está de férias!



Continue Lendo

Autor de golaço do Brasil sub-17, Paulinho simboliza geração entrosada e talentosa



Continue Lendo

Corinthians registra contrato de duas temporadas com jovem atacante ex-Santos



Continue Lendo