Artilheiro do Botafogo rouba a cena e é o craque da Copa do Brasil sub-17. Veja seleção!



1

A Copa do Brasil sub-17 terminou nesta terça-feira com o título do Vitória, nos pênaltis, para cima do Botafogo, em pleno estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro. O principal torneio da categoria Juvenil teve média de gols perto de 3,5 por jogo (foram 194 gols em 58 jogos) e colocou em evidência uma série de promessas muito talentosas. A maior prova disso é que o novo técnico da Seleção Brasileira sub-17, Carlos Amadeu, esteve no Rio para conferir a vitória dos baianos por 3 a 1 e também já havia convocado destaques dos times eliminados previamente.

O blog fez a cobertura da Copa do Brasil sub-17 desde a sua primeira fase, em março, e traz aqui a seleção escolhida entre todos os clubes participantes.

Apesar do vice-campeonato, o principal jogador foi o atacante Luis Henrique, do Botafogo. Ele, que já teve passagem pelas divisões de base do Flamengo, foi o artilheiro do torneio com 14 gols marcados em 10 partidas, números que o tornam o maior goleador da história da Copa do Brasil sub-17. Técnico e letal, Luis Henrique já foi até promovido aos profissionais do Bota e elogiado pelo técnico Renê Simões.

Luis Henrique, porém, não foi o único grande nome da Copa do Brasil sub-17, e divide a seleção com mais dois companheiros de time (o goleiro Diego e o lateral-esquerdo Jordan), três do campeão Vitória (Cedric, Farinha e o ótimo Yan), além de mais cinco de times que não chegaram à decisão: dois do Flamengo (Matheus Thuller e Matheus Lacovelli), um do América-MG (Matheusinho), um do Fluminense (Estigarribia) e um do Corinthians (Renan Areias).

O melhor técnico, apesar do trabalho louvável de João Burse à frente do Vitória, é o vice-campeão Felipe Conceição. Por dificuldades financeiras do Botafogo, o comandante perdeu três titulares durante a montagem deste elenco para a Copa do Brasil sub-17. Passou por cima, dando chance a Diego e Jordan, por exemplo, e montou um time de boa capacidade.

3

VEJA A SELEÇÃO DO L! DA COPA DO BRASIL SUB-17:

GOLEIRO – Diego (Botafogo)
Alto, técnico e com bons reflexos. Mais uma boa promessa do Botafogo na posição. Fez pelo menos três importantes defesas na final e foi fundamental ainda na terceira fase, contra o Fluminense.

LATERAL-DIREITO – Cedric (Vitória)
Chama o jogo para si com extrema naturalidade, o que às vezes torna o Vitória “capenga”. Mas tem qualidade para isso. Tem bom passe e leitura de jogo acima da média da categoria. Menção honrosa para o Klebinho, do Flamengo, e o Matheus Viveiros, do São Paulo.

ZAGUEIRO – Matheus Thuler (Flamengo)
Muito seguro e tranquilo, tem como ponto forte a boa saída de bola, já que chega com facilidade ao meio e às vezes trabalha como volante ou líbero. Já é acompanhado há um tempão pelos observadores da base da CBF. Muito potencial.

ZAGUEIRO – Estigarribia (Fluminense)
Também chamado para a Seleção na primeira lista do Carlos Amadeu, é um zagueiro muito inteligente, apesar de sério. Dá chutão quando é preciso e domina o setor no Fluminense. Nessa posição, divide méritos com o Éder, do São Paulo, o Zyan, do Botafogo, e o Renan, do América-MG.

LATERAL-ESQUERDO – Jordan (Botafogo)
Ao lado de Luis Henrique, é o que mais merece uma promoção ao sub-20 ou ao profissional. Tem muita qualidade com a bola no pé e muita personalidade em momentos de dificuldade do jogo. Quem também merece a lembrança é o excelente Hurick, do Corinthians.

VOLANTE – Renan Areias (Corinthians)
Já não é nenhuma novidade nas convocações da Seleção de base, mas segue mostrando a joia que é com a camisa do Corinthians. À frente da zaga, tem vitalidade e energia. Isso sem contar o bom trabalho com a bola no pé e a ótima movimentação em campo. Caminha para ser completo.

VOLANTE – Farinha (Vitória)
Qualidade inegável da principal surpresa da Copa do Brasil sub-17. Na própria base do Vitória nunca era o primeiro nome mencionado, mas mostrou ótimo futebol, sempre de construção. Cria jogadas e faz gols. Também era bom candidado o Esaul, do Internacional.

MEIA – Yan (Vitória)
O único que fez frente a Luis Henrique na disputa dessa eleição de craque da Copa do Brasil sub-17. Visão de jogo privilegiada, ótimo drible, consciência para fechar espaços e achar a marcação… Impecável! Aqui também seria possível relacionar o Augusto Cézar, do São Paulo, o Patrick, do Grêmio, e o Pepê, do Flamengo.

MEIA-ATACANTE – Matheusinho (América-MG)
Fez gol na semifinal e mostrou muita personalidade. É um jogador técnico, inteligente com a bola nos pés e com extrema facilidade no drible. Além disso, já tem dinâmica de jogo de profissional, ou seja, sabe cadenciar e fazer a leitura da melhor jogada.

ATACANTE – Matheus Lacovelli (Flamengo)
Vice-artilheiro com sete gols marcados, conduziu o Flamengo às semifinais e só não fez milagre, porque gol teve de todo jeito. Encarna o estilo trombador sem perder a capacidade técnica e, apesar de às vezes parecer meio imaturo, tem condição de evoluir por conta da qualidade.

ATACANTE – Luis Henrique (Botafogo)
Força, velocidade, técnica e faro de gol impressionantes para a categoria. Não houve ninguém melhor que ele no sub-17 nos últimos meses, tanto que já está sendo observado pelos profissionais e agora será lapidado. Marcou 14 gols, com os dois pés e também de cabeça, o que mostra versatilidade e ótima condição técnica. Faz um início de carreira brilhante.

2



  • burro burroburro!! prefere deixar dierson andreazi de fora!! nossos volantes agora sao matos airton e camacho!! como esse treinador é teimoso estamos fudidos com esse palestrante!! pra variar insiste em escalarfernandes de titular!! tem q por elvis e diego jardel é simples, mas ele adora emoçoes!!

MaisRecentes

Como intercâmbios esportivos viraram alternativas viáveis para jovens jogadores



Continue Lendo

São Paulo assina primeiro contrato profissional com destaque da equipe sub-17



Continue Lendo

Do sonho no futebol ao ‘Jah é gol’: futebol e música na trajetória de Fernandinho



Continue Lendo