Aposta em jogadores da base é regra para campeões estaduais de 2015



1Inter campeão estadual com seis pratas da casa só no time titular (Foto: Ricardo Rimoli)

Todo treinador chega a um novo clube com o discurso de que o time ideal é uma “mescla de experiência e juventude”. Na prática, porém, a gente sabe que não é bem assim. Nos Estaduais, torneios de tiro curto, é comum que as equipes se reforcem com nomes mais experientes. O famoso “pode deixar que eles seguram a bronca…”. Isso não funciona mais. E a temporada 2015 trouxe a lição definitiva de que um elevado número de jovens não representa qualquer problema. Pelo contrário: pode ser a solução.

O Internacional foi campeão gaúcho com seis jogadores revelados em suas categorias menores no time principal. Seis! Mesmo diante de um rival cascudo, com jogadores como Rhodolfo, Marcelo Oliveira, Maicon e Douglas, o uruguaio Diego Aguirre teve sua ousadia premiada. Além de Nilmar, prata da casa repatriado no ano passado, o Colorado entrou em campo com Alisson (22), William (20), Geferson (20), Rodrigo Dourado (20) e Eduardo Sasha (23).

Bom lembrar que não estão inclusos nessa conta o Alan Costa e o Valdivia, que foram captados pelo Inter durante o processo de formação. Forçando um pouco, dá para chegar a oito jogadores com passagem pela base do Colorado!

Na maioria dos outros Estaduais importantes a lógica não foi diferente. O Santos teve três pratas da casa titulares (Vladimir, Geuvânio e Robinho) e dois acionados com bola rolando (Gustavo Henrique e Leandrinho). O Atlético-MG, por sua vez, teve Marcos Rocha, Jemerson, Carlos e Giovanni Augusto em campo. O Goiás teve Everton, Felipe Macedo, Rodrigo, Felipe Menezes, David Duarte e Péricles. O Bahia contou com Jean, Robson, Mateus, Bruno Paulista e Rômulo, o Remo com Levy, João Igor, Ameixa, Alex Ruan e Silvio e o Santa Cruz com Nininho e Renatinho.

Só destoam um pouco dessa lista o Vasco, que só teve Luan na decisão contra o Botafogo, o Fortaleza, só com Pio, o América-RN, que só contou com Judson, e o Joinville, em que só William Pop foi acionado. Por fim, o campeão paranaense Operário não contou com nenhum jogador revelado em suas categorias de base nas finais contra o Coritiba. Mas só. Os cinco são minoria dentro dessa conta que colocou em campo tantas promessas campeãs. E o panorama podia ser ainda melhor se levássemos em conta os jogos de ida das decisões estaduais. Só o Santos, por exemplo, teve Paulo Ricardo, Jubal, Lucas Otávio e Gabigol em campo na derrota para o Palmeiras no Allianz Parque.

Sabiam que não tem segredo?



  • igor

    Esqueceu de adicionar Zé Roberto na lista do Bahia. Atacante muito promissor, que fez uma partidaça ontem.

    • Gabriel Carneiro

      Zé Roberto é um dos exemplos como Valdivia e Alan Costa. Foi prospectado para a base, mas a maior parte da formação foi por outro clube.

  • igor

    No Bahia, todos os citados, exceto Matheus (que teve pouco tempo), participaram de forma decisiva:
    Jean não sofreu gol.
    Robson fez gol e não perdeu nada pro ataque adversário.
    Bruno Paulista, além da bela partida, fez gol.
    Zé Roberto jogou muito e ainda sofreu pênalti.
    Rômulo deu um passe espetacular pro último gol.

  • Fernando

    Giovanni Augusto em sua primeira partida no ano mostrou que tem futebol,galo ainda teve Dodo no banco maioria dos jogos do mineiro ,outro jogador de muito futuro!

MaisRecentes

Estudioso e focado, Fabrício Oya embarca para primeira competição pela Seleção



Continue Lendo

Equipe de analistas colherá dados e mapeará atletas em competição sub-15



Continue Lendo

‘Felizão’ por monitoramento europeu, goleador da Ponte brinca: ‘Alto, não grosso’



Continue Lendo