Aposta em jogadores da base é regra para campeões estaduais de 2015



1Inter campeão estadual com seis pratas da casa só no time titular (Foto: Ricardo Rimoli)

Todo treinador chega a um novo clube com o discurso de que o time ideal é uma “mescla de experiência e juventude”. Na prática, porém, a gente sabe que não é bem assim. Nos Estaduais, torneios de tiro curto, é comum que as equipes se reforcem com nomes mais experientes. O famoso “pode deixar que eles seguram a bronca…”. Isso não funciona mais. E a temporada 2015 trouxe a lição definitiva de que um elevado número de jovens não representa qualquer problema. Pelo contrário: pode ser a solução.

O Internacional foi campeão gaúcho com seis jogadores revelados em suas categorias menores no time principal. Seis! Mesmo diante de um rival cascudo, com jogadores como Rhodolfo, Marcelo Oliveira, Maicon e Douglas, o uruguaio Diego Aguirre teve sua ousadia premiada. Além de Nilmar, prata da casa repatriado no ano passado, o Colorado entrou em campo com Alisson (22), William (20), Geferson (20), Rodrigo Dourado (20) e Eduardo Sasha (23).

Bom lembrar que não estão inclusos nessa conta o Alan Costa e o Valdivia, que foram captados pelo Inter durante o processo de formação. Forçando um pouco, dá para chegar a oito jogadores com passagem pela base do Colorado!

Na maioria dos outros Estaduais importantes a lógica não foi diferente. O Santos teve três pratas da casa titulares (Vladimir, Geuvânio e Robinho) e dois acionados com bola rolando (Gustavo Henrique e Leandrinho). O Atlético-MG, por sua vez, teve Marcos Rocha, Jemerson, Carlos e Giovanni Augusto em campo. O Goiás teve Everton, Felipe Macedo, Rodrigo, Felipe Menezes, David Duarte e Péricles. O Bahia contou com Jean, Robson, Mateus, Bruno Paulista e Rômulo, o Remo com Levy, João Igor, Ameixa, Alex Ruan e Silvio e o Santa Cruz com Nininho e Renatinho.

Só destoam um pouco dessa lista o Vasco, que só teve Luan na decisão contra o Botafogo, o Fortaleza, só com Pio, o América-RN, que só contou com Judson, e o Joinville, em que só William Pop foi acionado. Por fim, o campeão paranaense Operário não contou com nenhum jogador revelado em suas categorias de base nas finais contra o Coritiba. Mas só. Os cinco são minoria dentro dessa conta que colocou em campo tantas promessas campeãs. E o panorama podia ser ainda melhor se levássemos em conta os jogos de ida das decisões estaduais. Só o Santos, por exemplo, teve Paulo Ricardo, Jubal, Lucas Otávio e Gabigol em campo na derrota para o Palmeiras no Allianz Parque.

Sabiam que não tem segredo?



  • igor

    Esqueceu de adicionar Zé Roberto na lista do Bahia. Atacante muito promissor, que fez uma partidaça ontem.

    • Gabriel Carneiro

      Zé Roberto é um dos exemplos como Valdivia e Alan Costa. Foi prospectado para a base, mas a maior parte da formação foi por outro clube.

  • igor

    No Bahia, todos os citados, exceto Matheus (que teve pouco tempo), participaram de forma decisiva:
    Jean não sofreu gol.
    Robson fez gol e não perdeu nada pro ataque adversário.
    Bruno Paulista, além da bela partida, fez gol.
    Zé Roberto jogou muito e ainda sofreu pênalti.
    Rômulo deu um passe espetacular pro último gol.

  • Fernando

    Giovanni Augusto em sua primeira partida no ano mostrou que tem futebol,galo ainda teve Dodo no banco maioria dos jogos do mineiro ,outro jogador de muito futuro!

MaisRecentes

Aos 16 anos, zagueiro-artilheiro na Bahia já coleciona títulos pela base do São Paulo



Continue Lendo

No radar da Seleção, goleiro do Red Bull concilia futebol e faculdade de fisioterapia



Continue Lendo

São Paulo conquista a Salvador Cup: oitava taça que vai para Cotia nesta temporada



Continue Lendo