‘Sem medo de vencer’, André Shinyashiki fez o gol mais bonito da semana no soccer



André poderia ser inspirado pelo título de qualquer um dos livros escritos por seu pai, o psiquiatra, escritor e palestrante Roberto Shinyashiki. “Louco por viver”, “Sem medo de vencer”, “A revolução dos campeões”, “Os donos do futuro”, “Heróis de verdade”, “Tudo ou nada”, “Os segredos dos campeões”…

Roberto tem relação estreita com o esporte. Consultor do COB (Comitê Olímpico Brasileiro) nos Jogos Olímpicos de Sidney, em 2000, o psiquiatra ficou conhecido nacionalmente por conta de seus métodos de motivação. Um deles consiste em colocar o atleta para andar sobre um caminho de brasas. O “fogo da transformação” é “um poderoso ritual para a mudança e a expansão da consciência” que tenta mostrar que aquilo que parece impossível – tipo andar sobre o fogo – pode ser feito e as dificuldades superadas.

Tantas lições de motivação de Roberto Shinyashiki hoje movem André, seu filho de 19 anos, no sonho de ser jogador profissional de futebol. O garoto começou a trajetória no Pequeninos do Jockey, esteve por dois anos e meio na base do Nacional-SP e há três anos atua nos Estados Unidos. Após dois anos de High School (o nosso colegial), ele foi recrutado com bolsa de 100% para atuar no time da Universidade de Denver. Já são dois anos por lá, em busca do sonho.

1

E nesta semana, uma boa notícia mobilizou amigos e familiares de André Shinyashiki no Brasil: ele concorreu e venceu como gol mais bonito da semana no futebol universitário americano. Dois cortes na marcação, chute forte no ângulo e um gol importante para o time da Universidade de Denver, que subiu no ranking nacional e manteve uma invencibilidade de dois anos na temporada regular.

– Esse gol na verdade tem uma importância muito maior do que só a beleza dele. Nosso time não perde um jogo na temporada regular faz dois anos, ninguém tinha feito isso desde 1976 e 1977. Esse era o último jogo da nossa temporada regular, faltavam dois minutos para acabar o segundo tempo da prorrogação e é golden goal aqui. Eu peguei a bola pela esquerda, cortei o zagueiro, cortei de novo, não pensei duas vezes e chutei para o gol – descreve o garoto, que venceu a eleição com outros três concorrentes com 59% dos votos.

André Shinyashiki tem rotina agitada nos Estados Unidos. Ele diz que “dá para equilibrar se você for organizado”, mas num dia comum acorda às 7h, treina, volta, tem aula até 18h e só à noite pode descansar e estudar. Ele estuda Business, a nossa Administração de Empresas, e curte o momento. Aos 19 anos, ele tem perspectiva de formatura para junho de 2019 e traça planos para o futuro.

– Meu principal foco é ser jogador de futebol. Eu quero me profissionalizar quando sair daqui. Nos Estados Unidos tem o draft, em que os clubes selecionam jogadores das faculdades para atuar nas ligas. É uma grande possibilidade – diz André.

O filho de Roberto Shinyashiki pode nem caminhar sobre as brasas, mas aos poucos alcança seus objetivos e realiza sonhos. Com tantas lições vindas de casa, difícil seria apostar no contrário.

– Já li bastante coisa que meu pai escreve, principalmente os artigos, mas li dois livros também. O principal conselho que sigo dele é de trabalho duro, de trabalhar mais que os outros. Trabalhar duro é o que vai me deixar na frente dos outros. Talento é limitado, mas o quanto você pode trabalhar não é.

 



MaisRecentes

Primeiro contrato, treinos no profissional e… gols, claro: a semana de John Kléber



Continue Lendo

Goleiro que é destaque na base em São Paulo teve carreira salva por ‘pai-cobra’



Continue Lendo

Como intercâmbios esportivos viraram alternativas viáveis para jovens jogadores



Continue Lendo