‘Ei você!’ O porquê dos filhos do técnico Doriva terem trocado o futebol pelo sertanejo



“Faz tempo que eu tento te falar
Que eu já me perdi no seu olhar
Desculpa viciei no seu sorriso…”

O verso composto por Marcel Sinhorini Ghidoni tem potencial para embalar milhares de corações apaixonados, como hoje fazem os de Luan Santana, Jorge & Mateus, Henrique e Juliano e vários outros sucessos da música sertaneja. Apesar de ter só 17 anos, o garoto já sabe que mexer com os sentimentos dos outros é seu destino, missão, ideal ou coisa que o valha. Exatamente como fazia seu pai. Marcel é filho de Doriva, campeão de tudo pelo São Paulo, referência no futebol inglês, jogador da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1998 e hoje técnico do Bahia. Poucos embalaram tantos corações quanto Doriva.

palco

Mas Marcel também é irmão de Diego, com quem forma a dupla sertaneja Diego & Marcel, que lançou no último dia 21 sua primeira música autoral, chamada “Ei você”. Os garotos de 19 e 17 anos assinaram contrato há algumas semanas para serem produzidos pelo estúdio Midas, em São Paulo. Se na mitologia grega o Rei Midas transformava em ouro tudo o que tocava, na música essa missão é do produtor Rick Bonadio, o mesmo de Mamonas Assassinas, Charlie Brown Jr., Rouge, NX Zero e tantos outros.

Bonadio agora será responsável por produzir o primeiro EP da dupla Diego & Marcel, os dois filhos (não de Francisco) de Doriva. Em três meses, a dupla sertaneja teen deve estar com visual diferente, estilo definido e quatro músicas para lançar no mercado. Impossível dizer se vão realmente embalar os tais corações apaixonados, mas era esse o objetivo quando eles decidiram largar carreiras promissoras no futebol e lançar a dupla que até então só embalava as festas de família e reuniões de amigos.

Dupla ao lado do pai, o técnico Dorival, e Deuber, da dupla Deuber e Leandro

Dupla ao lado do pai, o técnico Dorival, e Deuber, da dupla Deuber e Leandro

– Sempre tive esse sonho de jogar futebol, inspirado no meu pai. Aos 10 anos entrei em uma escolinha em São José do Rio Preto e fui evoluindo. Depois passei em um teste no São Paulo e fiquei dois anos treinando em Cotia, aí vieram Ituano, Vasco… Mas aí as coisas de repente começaram a desenrolar na música, e eu precisei correr atrás também. O futebol parou de me deixar em paz, deixou de ser um sonho. Sempre tive uma afeição pela música, apaixonado mesmo, e depois de ver essa oportunidade de deixar a coisa mais profissional eu pensei e fui – explica Diego, que largou o futebol bem perto de se profissionalizar.

Diego-Sinhorini-Carlos-Gregorio-Jr

Diego Sinhorini jogou quatro anos na base do Ituano, tendo disputado o Campeonato Paulista sub-15 e sub-17, além de uma edição da Copa São Paulo de Juniores. Em 2015, por ocasião da contratação de seu pai para treinar o Vasco, ganhou a chance de fazer um teste na base do clube e foi aprovado. Apesar do contrato válido por duas temporadas, ele permaneceu no clube apenas sete meses e disputou oito partidas oficiais no sub-20. De volta ao Ituano em novembro do ano passado, Diego vinha se preparando para jogar mais uma Copinha em 2016, mas “de repente”, como ele mesmo diz, encontrou “tudo o que sempre quis”, como canta ao lado de Marcel na primeira música da dupla.

Por falar em Marcel, o futebol também foi uma possibilidade. Seu primeiro clube foi o São Paulo, justamente na época do irmão. Do Tricolor, partiu para o Ituano, onde atuou nas categorias sub-15 e sub-17, e depois para o Atlético de Sorocaba, onde teve vínculo até ano passado. Não era a dele.

– Eu me desiludi do futebol depois que nasceu essa paixão pela música, por compor, cantar. Decidimos seguir esse caminho e não foi uma coisa frustrante para a gente não ter ido para frente no futebol. Eu não desisti, eu parei e continuei em outra área em que me julgava melhor. A música que me envolvia, o futebol não era para mim. Fui bem decidido a mudar e agora entramos de cabeça para ver se funciona – explica Marcel.

2

Na Inglaterra, onde morou durante as passagens do pai por Middlesbrough e Blackpool, Marcel fez aulas de violoncelo e violino, cantou na igreja e deu os primeiros passos na música sem nem perceber. Hoje é a primeira voz de uma dupla jovem que promete e espera pelo sucesso. Como no futebol, a consciência manda não se empolgar muito com as perspectivas e trabalhar duro pelas conquistas.

– Temos que ter muita tranquilidade. Nosso crescimento tem sido muito rápido, as coisas estão acontecendo muito rápido, a gente não imaginava. Mas é começo. As coisas precisam caminhar para, se um dia a dupla acontecer, ela não desaparecer. Queremos aparecer, subir, chegar no estágio que a gente sonha e se manter – reflete Marcel, enquanto o irmão completa.

– Futebol e música são profissões muito seletas, são poucas pessoas que atingem um nível top, que vale a pena. Exige talento e muito esforço, e a gente está correndo atrás – afirma Diego.

Ei você, não se surpreenda se eles chegarem lá. O DNA ajuda.



MaisRecentes

Conheça os quatro pilares do trabalho do Internacional em suas categorias de base



Continue Lendo

Titular da Seleção na base, promessa do Corinthians vive cartilha de ‘novo Pedrinho’



Continue Lendo

Entre os melhores times sub-20 de SP, Água Santa tem camisa 10 que é destaque aos 16



Continue Lendo