Novidades e expectativas para primeira noite de NBA - Café Belgrado

Novidades e expectativas para primeira noite de NBA



A noite de abertura da NBA já traz algumas das principais novidades da temporada. E algumas velhas expectativas.

Os quatro times envolvidos nos dois embates desta terça-feira são fortes, embora cada um deles tenha sua própria história pra contar.

Às 21h, com transmissão do SporTV, que terá Roby Porto, Rodrigo Alves e a estreia de Marcelinho Machado como comentarista, veremos o embate daquelas que prometem ser as duas potências do Leste pós -LeBron James.

Minha expectativa é enorme com relação a esse duelo porque estou particularmente curioso para ver o quanto Boston Celtics e Philadelphia podem evoluir do ano passado para este. É possível dizer que o “teto” das equipes é incalculável e não vejo a hora de vê-los jogando.

Isso porque, de um lado, temos dois dos maiores potenciais da NBA da atualidade, e de outro, temos um dos elencos mais gabaritos da liga.

Sinceramente: não tenho ideia do tipo de jogador Joel Embiid e Ben Simmons ainda podem vir a ser. Hoje, já são All-Star,  mas está claro que os dois têm ainda mais a evoluir. Simmons joga tudo isso basicamente sem ter chute. Embiid é tudo aquilo que conhecemos sem ainda ficar tanto tempo em quadra. Ainda há o salto óbvio que deve vir de Saric, que é um craque, um dos candidatos a MIP. Não quero falar de Fultz, Fultz me deprime.

Já os Celtics, bem… Esse time é assustador. O atual vice-campeão do Leste, derrotado em sete jogos por um time que nem existe mais, seria naturalmente favorito. E se ele adicionar a isto dois All-Star? Pois é isso o que são Gordon Hayward e Kyrie Irving, que só jogaram juntos até agora 6 minutos – precisamente no primeiro jogo da temporada passada, até a fratura exposta do ala ex-Utah Jazz. E se eu lhes disser que não é só isso? Eles têm ainda um potencial superstar sendo gestado, o bailarino Jayson Tatum.

 

Meu Deus!!!

No jogo de fundo, às 23h30 – aquele que idosos como eu lutarão para permanecer acordado até o final – traz menos promessas e mais convicções. Ainda sem Demarcus Cousins, o Golden State é o time a ser batido. Pelo que vi na pré-temporada, suponho que o titular da posição 5 será alguém bem obscuro – provavelmente Damian Jones ou Jordan Bell. É um time inacreditavelmente forte pelos outros quatro: Curry, Durant, Klay e Dray são estrelas dinásticas de um time imparável.

Impressão que dá é que Curry vem pra uma temporada ainda melhor que as últimas. Não sei, feeling mediante o que ele fez na pré-temporada. O rapaz parece estar turbinado e, sabe-se lá como, tem acertado chutes de um modo ainda mais impressionante.

 

Minha impressão é que o banco está mais fraco do que nos últimos anos, mas acho que eles vão continuar dando o jeito deles de vencer os jogos.

O Oklahoma tem algumas novidades, sobretudo a saída de Carmelo Anthony e a incorporação de Dennis Schroeder, de quem muito se espera. Acho que será uma peça interessante pra pontuar vindo do banco.

Ainda assim, tenho a impressão que é um time que sabemos bem o que esperar: genialidade monstruosa de Russell Westbrook, compreensão de jogo e dedicação coletiva com alto poder técnico de Paul George, e um espírito guerreiro dominador de Steven Adams. É o suficiente pra vencer esta noite? Talvez.

 



MaisRecentes

Análise Tática NBB: Vasco, por Rodrigo Galego



Continue Lendo

Corinthians faz peneira de Basquete na próxima semana



Continue Lendo

Análise Tática NBB: o Flamengo, por Rodrigo Galego



Continue Lendo