Golden State of Mind, por DeMarcus Cousins - Café Belgrado

Golden State of Mind, por DeMarcus Cousins



tradução de Rone Amabile, o popular Roma7

originalmente publicado no Players Tribune

Sim, eu sou um Warrior agora.

Foi a melhor decisão basquetebolistica que já tomei, e vou dizer o porquê.

Mas quero dizer algo rápido sobre Nova Orleans. Eu sei que algumas pessoas ainda vão olhar a situação como, “Boogie nunca teve interesse de verdade (de ficar). Ele foi embora após um ano. Foi pelo caminho fácil”.

Eu sou um garoto de Mobile,  no Alabama. Mantenho a família por perto. A verdade é que eu achei que ia ficar. Então em junho, eu estava procurando casas. Eu não sabia qual vizinhança queria morar – só queria ter certeza que a casa teria um quintal grande o bastante para os meus cachorros. Eu tenho três cachorros. Gotti, Biggie e Queenie. Eles precisam de um grande quintal.

Nunca houve nada negativo com os Pelicans. Nós sentimos que estávamos criando algo especial. Tínhamos AD (Anthony Davis), tínhamos Jrue (Holyday), fazendo o que eles fazem toda noite. Nós estávamos firmemente construindo aquela base necessária para vencer. Eu estava firmemente envolvido em recrutar novos caras. Eu ajudei a trazer Rajon Rondo, Jameer Nelson, Tony Allen, ajudei a trazer Ian Clak, Nikola Mirotic. Mesmo depois de machucado, eu estava fazendo a cabeça dos caras que eu acreditava que caberiam aqui. Como disse, estávamos construindo o alicerce.

No último ano nos playoffs, eu fiquei orgulhoso de como aqueles caras jogaram. Nós varremos os Blazers e demos uma canseira nos Warriors. Veja: nós fomos os único time – além do Houston – a arrancar uma vitória deles. Eu nunca quis tanto jogar basquete na minha vida como eu quis naquela série. Ainda estou orgulhoso.

Então a free agency chegou. E foi uma chuva de “talvez estejamos interessados. “Não sabemos se é o melhor encaixe”. De repente, eu não conseguia falar com os Pelicans. Não conseguia falar com ninguém. Foi difícil. Fazemos parte de um negócio desagradável as vezes. Não digo isso como algo bom nem como algo ruim. Apenas não sobra espaço para se deixar levar pelas emoções. Os fatos ainda são os mesmos. Eu esperava voltar para o New Orleans, e estava orgulhoso do que estávamos fazendo lá.

Não consegui dormir por dois dias. Quando ficou claro que eu não ficaria em Nova Orleans, eu fui buscar e criar aquela que seria a melhor oportunidade para mim. Eu pedi ao meu agente para marcar uma conversa telefônica com os Warriors. Eu sabia que eles precisavam de um Big.

Eu liguei para Bob Myers.

Por Deus, Bob pensou que era uma pegadinha. Ele perguntou cinco vezes se falávamos sério. Eu falei da maneira mais clara possível. Eu expliquei sobre o Pelicans e como aquilo não fazia mais sentido. Disse a ele que era como se os outros times acreditassem que minha carreira tinha acabado após a contusão

E disse que aceitaria o mínimo. Eu só queria um time que me quisesse. Eu disse a ele: quero jogar no nível mais alto e fazer o maior impacto possível. Depois disso, Bob parou de achar que era uma pegadinha.

Primeiro, Bob me pediu para ligar para o treinador Kerr and os caras, para ter certeza que por eles estava tudo bem. Então liguei para KD, Steph. Falei com Draymond. Eu falei com o treinador Kerr. Eu não tinha certeza de como receberiam a ideia de me ter a bordo. São os atuais bi-campeões. Eu meio que esperava que eles não quisessem nada novo naquela máquina.

Mas foi o oposto. Eles não poderiam estar mais tranquilos com relação a isso.

O treinador foi engraçado ao telefone. Ele estava empolgado, perguntando como eu me via no sistema do time, coisas assim. E pouco antes de desligar, ele disse: “Você vai me fazer realmente ser um treinador esse ano, não?”

Draymond e eu nos falamos algumas vezes. Ele foi ótimo. Mesmo KD veio até Vegas. O resto do verão ele ficou me mandando mensagens, dizendo como ele ainda estava chocado com tudo isso. Ele estava tipo, “Eu ainda não acredito que isso está acontecendo”. Nem eu, cara.

Não pude falar com Klay até praticamente o início do training camp. Não sei onde esse cara esteve no verão. China, eu acho? Mas sério, eu estou louco pra ser companheiro desse cara. Todos sempre falam dele como sendo o melhor companheiro de time. Preciso ter um pouco do lado Zen do Klay.

Pense nisso por um segundo. Estamos falando de um grupo de MVP’s e All-Stars que venceram três dos últimos quatro campeonatos.

E sem nenhum ego sobre adicionar outro cara ao time. É especial.

É algo como, sabe? Eu estava em Nova Orleans e depois não estava mais. Então liguei pro Warriors. Não é algo complicado a meu ver.

Tenho ficado em Bay (San Francisco Bay Area). Procurando por um canto com jardim grande o suficiente para Gotti, Biggie e Queenie. Tenho me reabilitado e exercitado no centro do Warriors. Todos na organização têm sido legais. Tem uma vibe (boa) aqui. Você a sente no treinador Kerr, no front office e nos funcionários em geral. Todos estão pensando em ganhar outro campeonato, nada menos. Eles cuidam uns dos outros assim. Eu sinto falta do basquete e de jogar basquete, significa tudo pra mim. Encontrei um novo lugar aqui onde me receberam de braços abertos.

Voltarei 100% nessa temporada. Daqui um ano, quando eu olhar para trás, sei que será a melhor decisão que tomei na vida.

 

DeMarcus Cousins



MaisRecentes

Análise Tática NBB: Vasco, por Rodrigo Galego



Continue Lendo

Corinthians faz peneira de Basquete na próxima semana



Continue Lendo

Análise Tática NBB: o Flamengo, por Rodrigo Galego



Continue Lendo