Quem segura o Panzer?



(Ilustração: Henrique Assale)

(Ilustração: Henrique Assale)

Müller, Schürle, Hummels, Klose, Kross, Götze, Khedira e Özil. Esses são os responsáveis por fazer da Alemanha o ataque mais positivo da Copa do Mundo. A artilharia pesada que se assemelha ao Panzer, tanque alemão de guerra, marcou todas as vezes em que entrou em campo e neste domingo, contra a Argentina no Maracanã, aposta nessa força para conquistar o tetracampeonato depois de 24 anos.

Com 17 gols, os alemães serão pela terceira vez seguida a seleção que mais marcou em um Mundial. Na edição de 2006, quando sediaram o torneio, ficaram com o terceiro lugar e 14 tentos marcados. Quatro anos mais tarde, na África do Sul, novamente obtiveram o terceiro posto e 16 gols marcados. Em campo, o desempenho de 2014 já superou as edições anteriores, assim como o poderio ofensivo.

Joachim Löw credita a qualidade dos seus homens de frente para o fato da seleção ter tanto sucesso.

– Do meio para frente temos muitos bons jogadores. Todos são muito ofensivos. Eles sabem jogar pelas pontas, pelo meio, ninguém fica estático. É muito difícil nos marcar. Já está provado que a Alemanha sempre pode fazer muitos gols – afirmou o treinador, que também era o comandante na África.

Responsável pela maior goleada da Copa na vitória sobre o Brasil por 7 a 1 na semifinal, a Alemanha terá na decisão outro sul-americano pela frente, mas com perfil defensivo oposto. A Argentina sofreu apenas três gols na competição – Costa Rica é a melhor defesa com dois gols e cinco jogos – e o goleiro Romero ainda não foi vazado no mata-mata. Só levou gols contra Bósnia, na estreia, e Nigéria, duas vezes.

A força ofensiva alemã pode ser coroada com o título que bateu na trave nas últimas três Copas e formar a dobradinha de melhor ataque e campeão, como aconteceu em 1990, no ano do último título.

Melhores ataques da Copa do Mundo:

2014: Alemanha – 17 gols / 6 jogos / 2,83 média (até a semifinal)
2010: Alemanha – 16 gols / 7 jogos / 2,29 média
2006: Alemanha – 14 gols / 7 jogos / 2 média
2002: Brasil – 18 gols / 7 jogos / 2,57 média
1998: França – 15 gols / 7 jogos / 2,14 média
1994: Suécia – 15 gols / 7 jogos / 2,14 média
1990: Alemanha – 15 gols / 7 jogos / 2,14 média
1986: Argentina – 14 gols / 7 jogos / 2 média
1982: França – 16 gols / 7 jogos / 2,29 média
1978: Argentina e Holanda – 15 gols / 7 jogos / 2,14 média
1974: Polônia – 16 gols / 7 jogos / 2,29 média
1970: Brasil – 19 gols / 6 jogos / 3,17 média
1966: Portugal – 17 gols / 6 jogos / 2,83 média
1962: Brasil – 14 gols / 6 jogos / 2,33 média
1958: França – 23 gols / 6 jogos / 3,83 média
1954: Hungria – 27 gols / 5 jogos / 5,4 média
1950: Brasil – 22 gols / 6 jogos / 3,67 média
1938: Hungria – 15 gols / 4 jogos / 3,75 média
1934: Itália – 12 gols / 5 jogos / 2,40 média
1930: Argentina – 18 gols / 5 jogos / 3,6 média



MaisRecentes

Henrique Dourado tem o mesmo número ou mais gols do que nove clubes no Brasileirão



Continue Lendo

Único invicto, Corinthians tem cinco jogos para superar marca do Fluminense



Continue Lendo

Com melhor média, Mina se aproxima do top10 de zagueiros goleadores do Palmeiras



Continue Lendo