Muro da paciência separa Eduardo Baptista e Rogério Ceni



 

Eduardo Baptista e Rogério Ceni falaram com a imprensa nesta quinta-feira com poucas horas de diferença na Academia de Futebol e CT da Barra Funda.

 

O primeiro, se apresentou, falou das expectativas e também da responsabilidade de comandar o reforçado campeão brasileiro. Depois da passagem pelo Sport, quando chegou a ser o trabalho mais longevo do futebol brasileiro em 2015, Eduardo levou o Fluminense até a semifinal da Copa do Brasil – caiu para o Palmeiras – e acabou trocado logo no início do último ano. Na Ponte Preta, não perdeu para o campeão durante a campanha do Brasileirão. Além da Macaca, só Santos, Atlético-MG e Cruzeiro não foram derrotados pelo Palmeiras na campanha do título.

 

Eduardo Baptista disse ter sido “escolhido” para ser o comandante. Muito menos badalado do que os jogadores que irá comandar no vestiário, ele chega com desconfiança, mas por outro lado tem a principal oportunidade da curta carreira como treinador. A desconfiança do palmeirense passa também pelo ranço deixado por Nelsinho Baptista, pai de Eduardo e ex-treinador do clube na década de 1990, época da fila. A passagem ficou marcada por situação extracampo quando foram afastados Evair, Jorginho, Ivan e Andrei. O “azar” de Nelsinho por pegar um clube com problemas se transformou em “sorte” para Eduardo, responsável por assumir um time forte e campeão. Resta saber se terá a paciência da torcida.

 

Paciência esta que sobrará do outro lado do muro para Rogério Ceni. O primeiro trabalho como treinador será com um elenco sem grandes nomes e apostas em garotos de Cotia que triunfaram nos principais torneios de base da última temporada. Sem recursos para investimento pesado, o ídolo terá o respaldo da torcida para executar o trabalho.

 

O ano de 2017 começa para o comandante do lado verde do muro com um elenco recheado, grande responsabilidade e sem espaço para erros. Do lado tricolor, grupo enxuto, tempo para trabalhar e maior paciência da torcida.

 



  • Renato Duarte

    O Eduardo é mais técnico que o Ceni. Mesmo porque o Ceni ainda nem é técnico. Vamos ver se vai conseguir ser. E também vamos ver se o Eduardo está realmente preparado para um gigante ou se ainda tem que voltar à dieta de arroz com feijão por mais alguns anos em times médios. Que a paciência será maior com Ceni é inegável, até pela característica das torcidas. Sem falar no ídolo que o Ceni é. Porém, resultados são resultados. Vamos aguardar.

MaisRecentes

Sem torcida, jogo do Vasco dá menos prejuízo do que cinco do Flu no Brasileiro



Continue Lendo

Brasileirão tem recorde de público mesmo com jogo com portões fechados



Continue Lendo

Palmeiras x Vitória tem melhor público das 11h em 2017, mas média está abaixo dos anos anteriores



Continue Lendo