Nem tudo está perdido



Independência recebeu 18.578 pagantes na primeira final da Copa do Brasil e a renda bruta foi de R$ 4.741.300,00. O valor médio do ingresso custou ao bolso do torcedor do Atlético-MG pouco mais de R$ 255. Custo alto para o padrão brasileiro, mas “justificado” pelo boom da novas arenas no país e pela importância de ser uma final inédita entre rivais.

O presidente Alexandre Kalil preferiu jogar no estádio do América-MG pela força construída lá e a autoridade como a equipe se impõe sobre os rivais. Uma final do tamanho de Atlético e Cruzeiro não pode ser para menos de 20 mil pessoas. Na mesma velocidade em que o Brasil se modernizou por conta dos estádios parece retroagir na mesma proporção quando o assunto é a incapacidade de organizar uma partida de grande importância com a presença de torcidas grandes.

A véspera do confronto foi marcada por trocas de farpas públicas entre as diretorias e como já havia ocorrido em outras oportunidades do clássico mineiro a decisão teve torcida única. A prova da incompetência é quando se repete algo ruim como já acontece na Argentina. Lá o espaço para a torcida visitante não existe mais. Boca Juniors e River Plate começam a decidir a semifinal da Copa Sul-Americana na semana que vem no mesmo molde de Atlético e Cruzeiro.

Na mesma semana em que a final entre mineiros teve torcida única, Walter Torre, presidente da WTorre, deu declaração na contramão de tudo isso. Em debate no clube Monte Líbano, em São Paulo, ele se mostrou a favor de clássico dividido. A ESPN publicou a seguinte frase de Torre: “Meu sonho é de ter uma arena que seja metade de uma torcida e metade de outra. É assim que eu vejo o futebol. Tomara que dê certo”. O pensamento chega a ser utópico para os dias atuais, mas é sinal que existe luz no fim do túnel. Mesmo que não seja metade, já é avanço ter alguém com esse desejo em tempos que a maioria defende torcida única ou 10% aos rivais.

Na quarta-feira da próxima semana o Allianz Parque, estádio reformado com investimento de Torre, será inaugurado. A torcida é para que no futuro ele siga com a mesma opinião de agora.

A questão central para tudo isso é como parar a violência. Evitar que a torcida adversária vá até o estádio como visitante não é sinônimo de menos confusão. Os últimos confrontos com vítimas fatais aconteceram longe dos locais das partidas. No último Palmeiras e Santos, dia 19 de outubro pelo Brasileirão, o torcedor palmeirense Leonardo da Mata Santos, de 21 anos, morreu em briga na Rodovia Anchieta. O jogo? Aconteceu quatro horas depois no Pacaembu.

Privar o bom torcedor de usufruir das arenas modernas é o caminho preguiçoso a se seguir. Não dá para um final nacional com Atlético e Cruzeiro ser com torcida única e apenas para 18 mil torcedores. É um retrocesso.



MaisRecentes

Único invicto, Corinthians tem cinco jogos para superar marca do Fluminense



Continue Lendo

Com melhor média, Mina se aproxima do top10 de zagueiros goleadores do Palmeiras



Continue Lendo

Última vez com só um mandante vitorioso no Brasileirão havia sido em 2014



Continue Lendo