Aos mestres, com carinho



(Gil Leonardi/L!Press)

(Gil Leonardi/L!Press)

(Ramon Bitencourt/L!Press)

(Ramon Bitencourt/L!Press)

A final da Copa do Brasil estará em boas mãos a partir da madrugada do dia 27 de novembro. Se for o quinto título do Cruzeiro ou então a inédita conquista do Atlético-MG muito da campanha campeã será mérito dos treinadores que estão à frente dos rivais.

Marcelo Oliveira é o comandante que há mais tempo está no cargo no futebol tupiniquim – completará dois anos no fim da temporada. Já conquistou um Campeonato Brasileiro e tem o segundo encaminhado. O bi pode chegar até mesmo antes da finalíssima no Mineirão. A Raposa já sabe o caminho para conquistar a Copa do Brasil e Marcelo está no comando do time mineiro muito por causa do trabalho realizado na competição nacional. São três finais em quatro anos e os dois vices pelo Coritiba (2011 – Vasco e 2012 – Palmeiras) mostraram a capacidade dele. A curta passagem pelo Vasco é o exemplo real de que o problema na maioria das vezes não é o técnico e, sim, dos que se acham comandantes.

Levir Culpi já sentiu o gosto de vencer a Copa do Brasil. Foi pelo rival de agora, quando precisou medir força também contra o então melhor time do país. Venceu o Palmeiras de Vanderlei Luxemburgo, fora de casa, em 1996. Dois anos mais tarde fracassou contra o mesmo Verdão.

A segunda decisão do ano entre os rivais mineiros será a primeira de Levir. Paulo Autuori esteve nas duas “derrotas” sem gols do primeiro semestre. O que mudou de lá para cá? O novo treinador teve peito de barrar Ronaldinho Gaúcho quando o camisa 10 não apresentou o mesmo rendimento de outrora, mudou o esquema de concentração, não teve medo de se posicionar quanto os problemas de planejamento e recentemente afastou três jogadores do elenco.

No meio de tudo isso ainda ganhou a Recopa Sul-Americana e colocou no currículo duas viradas históricas contra Corinthians e Flamengo. Ah, também tem a melhor campanha do returno até agora há seis rodadas do fim e venceu o Cruzeiro nos dois turnos do Brasileirão.

Marcelo e Levir têm história por Galo e Cruzeiro e assim que o capitão levantar o troféu no Mineirão mais um capítulo será escrito na carreira dos dois. Capítulo mais especial por se tratar de uma das maiores rivalidades do país.



MaisRecentes

Prejuízo do Vasco longe de São Januário chega quase a R$ 500 mil



Continue Lendo

Rodada registra o melhor e o pior público do Brasileirão



Continue Lendo

Novidade na lista, Cássio é o oitavo goleiro chamado por Tite



Continue Lendo