A eterna Muralha alviverde



(Renato Cordeiro/L!Press)

(Renato Cordeiro/L!Press)

 

Quase centenário, Oberdan Cattani resolveu festejar o centenário do clube que amou ao lado de Junqueira, Begliomini, Zezé Procópio, Og Moreira, Del Nero, Cláudio, Waldemar Fiúme, Viladoniga, Lima e Echevarrieta, seus companheiros de Arrancada Heroica.

Oberdan sempre lembrou com riqueza de detalhes o que se passou em 1942 e da tristeza dos jogadores quando souberam que o Palestra teria que virar Palmeiras. Em seu quarto na casa em que vivia no bairro da Pompéia, bem próximo ao estádio, tinha uma verdadeira coleção de objetos que contavam a sua história e a do clube que defendeu por 13 anos, entre eles a faixa de campeão daquele jogo histórico no Pacaembu.

No dia 20 de setembro puxou a fila dos jogadores que seguraram a bandeira do Brasil e quis o destino que também em um dia 20 ele deixasse o palmeirense órfão de um ídolo que tanto brigou e reclamou, com muita razão, de que faltava o seu busto nas alamedas do Palestra Itália para fazer companhia a Junqueira, Waldemar Fiúme e Ademir da Guia.

Infelizmente a Muralha não teve tempo de ver a sua imagem eternizada no modernizado Allianz Parque.



  • Ariovaldo Roamno

    Quiz o destino que a Muralha Verde não estivesse de corpo presente em uma justa homenagem para eternizar como os Palestrinos e os Palmeirenses sempre o fizeram. Mas esta vendo e torcendo pelo Palestra eternamente. Vá com Deus e com o coração Verde e branco que sempre admirou.

MaisRecentes

Brasil não tinha ataque tão positivo em um início de trabalho desde Telê Santana



Continue Lendo

Goleador do Brasil na Arena, Neymar tenta gol contra rival inédito



Continue Lendo

Daniel Paulista é o quarto técnico demitido na Série A em 2017



Continue Lendo