Timão no prejuízo



O Corinthians segue vendo que medidas judiciais vai tomar e contra que partes sobre o caso de sua arena em Itaquera.

Depois de mais de cinco anos de tentativas não conseguiu vender os direitos de nomear o estádio e, segundo fontes do clube, não há tratativas no momento em relação a isso. As que haviam não teriam saído do papel.

O clube uma hora vai ter que pagar a conta da arena, que custou, em valores atualizados, cerca de R$ 1,5 bilhão, valor que o Corinthians deverá contestar devido às suspeitas de superfaturamento.

Também quer ser indenizado pelo fato de a Odebrecht, envolvida na Lava Jato até o pescoço, ter atrapalhado, com todo o esquema de corrupção em que estava inserida, a imagem não só do Corinthians,
mas também do estádio. E, por consequência, as negociações dos naming rights.

Para piorar, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad mencionou suposto pedido de propina que teria sido feito relativo à construção da arena, pedido que, no caso, não envolveria a Odebrecht, mas pode ter dificultado o acesso a benefícios fiscais do município de SP para a obra.

O estádio está belíssimo, mas há outros pontos que prejudicam a venda dos direitos de nomeá-lo. Um é a localização, apesar do fácil acesso via metrô, embora difícil de automóvel. Mas, como não está em zona nobre da cidade, o fato é que até agora não consegue organizar shows como faz o Allianz Parque, por exemplo. Depende, portanto, só do futebol, o que não é bom.

Outra questão é o comportamento do torcedor, que fica de pé durante todo o jogo mesmo em setores com cadeiras. Ou seja, dificulta q visibilidade de crianças e pessoas mais velhas ou com problemas para ficar duas horas em pé em jogos de futebol, o que não é bom para a imagem da arena. Até porque se se trata de setor com cadeiras elas deveriam ser usadas, não se trata, afinal, de geral como havia nos velhos tempos.

Enfim, temos difíceis para as finanças e o marketing do Timão. Ainda mais com estádios de futebol construídos ou reformados para a Copa na mira da Lava Jato e levando uma turma à prisão, como vimos no caso do de Brasília e do de Natal, além do Maracanã, outro alvo da operação. E a arena corintiana, quando o assunto é investigação, segue na berlinda.



MaisRecentes

O escândalo de Platini



Continue Lendo

Fernando Diniz na berlinda



Continue Lendo

Deuses da Bola



Continue Lendo