Os estádios do Santos



A diretoria do Peixe quer mandar metade dos jogos do time no Brasileirão no Pacaembu. A outra metade a que tem direito de atuar em casa seria na Vila.

O motivo para o revezamento é o bom público que tem conseguido em São Paulo, contrastando com a baixa presença de torcedores em Santos.

Há um segundo: o departamento de marketing acha, que alternando os jogos entre a capital paulista e o litoral, o perfil do público varia e pode satisfazer mais atuais e futuros parceiros do clube, aumentando a receita do setor.

Além do mais a comissão técnica prefere atuar em São Paulo, onde a pressão da torcida é menor, já que em Santos vem tendo problemas com alguns aficionados, que passam as partidas pegando no pé de Dorival Júnior e de alguns jogadores e irritando-os ao invés de os apoiar.

Mas para jogar em São Paulo tem que acertar o esquema de segurança com o policiamento e ver a escala de jogos de Corinthians, Palmeiras e São Paulo, que em tese têm preferência para jogar na capital do Estado.

Um arranjo já começou a ser feito para que, de fato, o time consiga mandar 50% de seus jogos no Pacaembu e 50% na Vila.

No Pacaembu, vale lembrar, conseguiu seu maior público no ano, mais de 37 mil presentes contra a Macaca, marca que tenta bater quinta que vem, pela Libertadores, diante do Santa Fé.

O último jogo na Vila, marcado por críticas e vaias da torcida no primeiro tempo e irritação de alguns jogadores, foi quarta passada, diante do Paysandu. Pouco mais de 6 mil pessoas compareceram, número que decepcionou a diretoria e os parceiros do clube paulista.



MaisRecentes

Seleção no divã



Continue Lendo

Seleção magoada



Continue Lendo

O emocional, de novo



Continue Lendo