Itaipava no Timão



Parte da cúpula corintiana segue culpando a Lava Jato pelo fato de o clube ainda não ter conseguido vender os direitos de nomear seu estádio. Construída pela Odebrecht, a arena foi citada nas delações de ex-executivos da empreiteira e considerada um “pepino” por Marcelo Odebrecht, ex-presidente da empresa preso em Curitiba.

Interlocutores de Andrés Sanchez, deputado federal pelo PT-SP e ex-presidente do Corinthians, dizem que uma das que mais se aproximaram de comprar os naming rights do estádio foi a cervejaria Itaipava.

Envolvida na Lava Jato, porém, ela teria caído fora. Um ex-executivo da Odebrecht disse que a cervejaria foi usada para disfarçar doações para a campanha de Dilma/Temer em 2014, o que o grupo Petrópolis, dono da Itaipava, nega.

Com a imagem abalada pelas denúncias da Lava Jato já há quem diga que a arena foi um mico não só para a Odebrecht mas também para o Timão, que não arranja recursos para paga-la e vê seu time de futebol sob ameaça de mais um desmanche.

Em fevereiro de 2011 a ideia era vender os direitos de nomear o estádio de Itaquera por R$ 400 milhões, período de 10 a 20 anos de contrato. Hoje já se fala em pouco mais da metade do valor. E isso sem contar a inflação desses pouco mais de seis anos.



MaisRecentes

Seleção magoada



Continue Lendo

O emocional, de novo



Continue Lendo

A cabeça de Neymar



Continue Lendo