Liquidação no Timão



Ameaçado por um processo de impeachment e irritado com Andrés Sanchez, que sugeriu que tirasse licença da presidência, Roberto de Andrade estuda montar uma comissão para negociar a venda dos direitos de nomear a arena em Itaquera que não inclua o ex-mandatário do Timão.

Até agora Andrés e seu grupo cuidavam das tratativas ligadas ao estádio. Tentavam vender os naming rights por R$ 400 milhões (valor de 2011, quando havia a expectativa de que o negócio fosse fechado).

No momento, segundo correntes da situação (e também da oposição) no Parque São Jorge não há nenhuma negociação oficial em curso, embora haja dirigentes e conselheiros que digam que o clube não está parado.

O valor dos naming rights, porém, pode cair e a direção já admite negocia-los por R$ 300 milhões por um período que pode chegar a 20 anos, embora ano passado Andrés, bem aborrecido, tenha falado em até R$ 200 milhões, o que mostra o desespero corintiano.

Outra dificuldade é em relação à finalização das obras, que pode custar mais R$ 50 milhões.

A Odebrecht, construtora responsável pelo construção do estádio e envolvida até o pescoço na Lava Jato, está mais preocupada com as investigações, as delações premiadas e a crise que acabou com a imagem da empresa do que com a arena corintiana, palco da abertura da Copa de 2014.

E a torcida do Timão não quer que dinheiro do futebol seja usado para pagar gastos com o estádio e já fez forte protesto quando da apresentação do time para a atual temporada.

Dias complicados para a direção corintiana, enfim. E para o torcedor, que vê seu principal rival, o Palmeiras, cada vez mais forte, também, enquanto o Corinthians sofre com o racha político e problemas financeiros e no marketing também.



  • Paulo Miguel

    Haha .. rival cada vez mais forte? Onde? Tá louco? Lá tá o maior fundúncio entre Crefisa, Nobre, Mustafá e Gagliote. Apenas não sai na mídia como os problemas internos do Corinthians, pq os jornalistas antis são menores e vende menos noticia. Vamos nos informar mais. Aliás, o time do Corinthians desse ano, se contratar mais um zagueiro e um atacante, pode ter certeza que faz a limpa em títulos no ano. O rival, cada vez mais forte, sempre contrata em quantidade e esquece da qualidade. Ele conta fraco, perto do atual Corinthians.

    • Chorintiânu

      PATROCÍNIO DE CAMISA ESSE ANO FECHA 100 MILHÕES PELA CREFISA/FAM APÓS AS ELEIÇÕES DO CD . 23 MILHÕES ADIANTADOS PARA AS COMPRAS DE PRÉ TEMPORADA. ETA FURDÚNCIO BOM KKKKKKKKKKKKK

      • Janderson Linhares Cunha

        Cara procure se informar.

        • Chorintiânu

          cara fique feliz com Cazim e com a Kaixa … ops

    • Robert

      Aquela parte localizada entre o braço e o antebraço é usada para passar gelol, aceita que dói menos, pq a inveja é Verde!!!

  • Kris Anoxika

    Janca: Um eterno anti.

  • Capitão Tolima

    Naming Rights fechado.
    Caldos Maggi.
    Só canjão de galinhas.
    Batom Avon pra beijocas das Gayvotas da Fiel e Lanchonete Clébinho Linguiça.
    Raio Tolimizador.

    • *O/*FIEL* e’nois*

      PaunuseucuzaO dos antis curiosos!!!! Kkkkkkkmmm

    • Janderson Linhares Cunha

      Comendo tua mãe, soquei a lima.

  • Chorintiânu

    FONTE UOL – BLOG DO RODRIGO MATTOS

    Quando decidiram fazer seus estádios, Palmeiras e Corinthians adotaram modelos de negócios completamente diferente. Houve uma longa discussão sobre quem teria a melhor fórmula. Passados dois anos das arenas em funcionamento, o clube alviverde teve uma vantagem de cerca de R$ 150 milhões em renda sobre o rival, de acordo com levantamento do blog.
    No modelo escolhido, o Corinthians decidiu criar uma estrutura de empresas para financiar a construção de seu estádio com empréstimo do BNDES e incentivo fiscal. Depois, ainda usou dinheiro da Odebrecht. As rendas da arena seriam todas destinadas ao pagamento desta conta, o que tirava a renda do clube com bilheteria. Hoje, a perspectiva é de que se alongue o pagamento da dívida por pelo menos 20 anos.
    Já o Palmeiras fechou uma parceria com a W/Torre pela qual cedida o estádio e o terreno por 30 anos. A construtora realizava toda arena e cedia as rendas de bilheteria para o clube, ficando com o direito de exploração para shows e outros eventos.
    Levantamento nas contas do fundo Arena Imobiliário e nas bilheterias do clube mostra que o estádio corintiano teve uma arrecadação em torno de pelo menos R$ 147,5 milhões em dois anos e meio de funcionamento. Pelas contas do fundo, foram R$ 119,3 milhões até o meio de 2016. As bilheterias corintianas somadas no segundo semestre foram de R$ 28,2 milhões.
    No mesmo período, o Palmeiras deve registrar receita um pouco superior com o Allianz Parque. Em 2015, descreveu R$ 87,2 milhões em arrecadação com jogos em seu balanço.
    Não há um número total fechado para 2016 já que o balanço não se encerrou. Mas as receitas de bilheteria do ano foram de R$ 59,6 milhões. Ou seja, o total chega a pelo menos R$ 146,8 milhões. Esse número certamente será maior já que o Palmeiras tem direito a um percentual pequeno da renda de eventos e de naming rights.
    Feitas as contas, em dois anos com os estádios novos, o Palmeiras teve uma vantagem de cerca de R$ 150 milhões em seus cofres sobre o rival o que se reflete na situação financeira dos dois clubes. E pelo cenário atual isso deve perdurar.
    Como deve prolongar a dívida com o BNDES por 20 anos, e tem outros débitos com a Odebrecht, o Corinthians pode ficar duas décadas sem bilheteria. A situação se agrava porque há a dívida privada, pela falta de venda de naming rights e de negociação da maior parte dos CIDs. Assim, é difícil dizer quando de fato o clube conseguirá cobrir o R$ 1,1 bilhão do custo do estádio.
    No cenário mais otimista, de pagamento do débito corintiano em 20 anos, a escolha do modelo de negócios de estádios representará uma diferença de R$ 1,5 bilhão em favor do Palmeiras sobre o rival em neste período. E, em 10 anos mais, o próprio Palmeiras terá seu estádio integralmente. Ou seja, não há dúvida hoje de quem fez o melhor negócio.

    • Janderson Linhares Cunha

      Palmeiras estuda entrar com fax para ratificar o torneio pinga e a copa são paulo do colégio marista de 1887.

      • Chorintiânu

        ta precisando ler com mais atenção… o texto é sobre modelo de negócios e qual é melhor. não sei de nada do q vc está falando… e mais, pra que vou querer copinha se já tenho seu copinho ?

  • Robert

    Rindo até 2099…kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  • Solitvdo

    Só lembrando que as arquibancadas da dinossaura Vila Belmiro estão desabando.

  • DOUTOR ROBSON TORRES

    OS CURICAS SOFREM VENDO O ENEA CAMPEAO FORTE.
    FICO SORRIDENTE AO VE-LOS FALAR DE FÁQUIS, FIFA, 51, DEL NERO, NOBRE-VAI-COBRAR.

    ME SINTO NERO VENDO O ENTULHAO PEGANDO FOGO.

    SOFRAM CASCOES ! RIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIISSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS

    Dias complicados para a direção corintiana, enfim. E para o torcedor, que vê seu principal rival, o Palmeiras, cada vez mais forte, também, enquanto o Corinthians sofre com o racha político e problemas financeiros e no marketing também.

  • Gardenaldo Rivotrílio

    Se o Roberto de Andrade fizer com o naming rights o mesmo que faz com os jogadores do clube é capaz dele vender por R$ 1,99.

MaisRecentes

Pela saída de Levir



Continue Lendo

Apoio a Jô



Continue Lendo

Os preços da Seleção



Continue Lendo