A volta de Andrés



Andrés Sanchez, que nunca saiu do Corinthians e até hoje é a principal figura ligada ao estádio de Itaquera, estuda retornar à presidência do clube em 2018.

Quer se candidatar à sucessão de Roberto de Andrade, cuja gestão tem sido alvo de muitas críticas e que tem mandato até fevereiro daquele ano.

O Timão vive forte crise política e 63 conselheiros pediram o impeachment de Andrade.

O clube desmontou duas vezes o elenco na atual temporada, atrasou pagamento de salários e direitos de imagem e conseguiu resultados pífios, não chegando sequer a alcançar vaga na Pré-Libertadores. Com a má fase, as receitas de bilheteria têm caído bastante.

Para piorar um pouco o quadro, a Odebrecht, que construiu a Arena Corinthians, tem 77 executivos a fazer delação premiada e o estádio do Timão deve ser um dos tópicos abordados. O vice-presidente, André Luiz Oliveira, o André Negão, chegou a ser alvo, e André Sanchez, atualmente deputado federal pelo PT-SP, também será investigado.

Aliados de Andrés dizem que ele estuda abrir mão do mandato parlamentar no último ano, já que não teria receio de perder o foro privilegiado e porque teria se desencantado com política. Voltaria, então, todas suas atenções ao clube, que enfrenta sérios problemas financeiros.

Andrés é muito crítico em relação ao trabalho de Andrade, mas luta contra o impeachment, que pode prejudicar ainda mais a imagem do Corinthians, que há cerca de cinco anos tenta, sem sucesso, vender os direitos de nomear seu estádio. E não tem recursos para paga-lo, o que reflete no futebol e na qualidade (ou falta dela) do time atual.

Dias tensos para o lado do Timão. E más perspectivas para 2017. Afinal sem grana não é fácil montar um bom elenco. E com o clube rachado internamente e no meio de uma Lava Jato, então, nem se fale.



MaisRecentes

A matemática do futebol



Continue Lendo

A melhor do mundo



Continue Lendo

Aprender a perder



Continue Lendo